Sonda InSight tira sua primeira selfie em Marte

Por Patrícia Gnipper | 11 de Dezembro de 2018 às 22h30
NASA
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Onze imagens individuais foram posteriormente reunidas para gerar a primeira selfie tirada pela sonda InSight em Marte, que chegou ao Planeta Vermelho no final de novembro. Seu objetivo é estudar a formação do planeta, analisando o que há logo abaixo da superfície, bem como ajudar os cientistas da NASA a entender melhor o fenômeno dos "marsquakes" (equivalentes aos terremotos de nosso planeta).

A colagem acontece de maneira similar a como é feito com as fotos do rover Curiosity, que tira muitas fotos sequenciais que, depois, são sobrepostas e unidas para gerar uma única fotografia deslumbrante. Na selfie da InSight, podemos ver o painel solar da sonda e todo o seu deck, que abriga os instrumentos científicos. A selfie é possível pois o braço robótico da sonda foi equipado com uma câmera, cuja lente pode ter sua direção ajustada tanto para fotografar a paisagem marciana, quanto para tirar selfies como esta que você vê abaixo.

A selfie da InSight em Marte (Foto: NASA)

Além da selfie, a sonda também fotografou a área que está logo à sua frente, mostrando seu "espaço de trabalho". A região que aparece na foto tem alguns metros de área, com a imagem sendo resultado de um mosaico composto por 52 fotos individuais.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.
A região demarcada em roxo mostra onde o sismômetro e a sonda de fluxo de calor poderão ser posicionados (Foto: NASA)

A partir de agora, cientistas e engenheiros da NASA decidirão minuciosamente onde, nesta área de trabalho, os instrumentos da InSight serão posicionados, comandando o braço robótico da sonda para definir os locais de exploração do sismômetro e da sonda de fluxo de calor. O processo ainda vai levar algumas semanas até que a definição seja feita.

A InSight foi levada a uma planície marciana que é relativamente livre de rochas. O local parece ser uma depressão criada pelo impacto de um meteoro, que mais tarde foi se enchendo de areia — o que deve facilitar o trabalho da sonda de fluxo de calor, cuja meta é alcançar uma região que está cinco metros abaixo da superfície.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.