Rover Curiosity registra nuvens impressionantes cruzando o céu marciano; veja!

Rover Curiosity registra nuvens impressionantes cruzando o céu marciano; veja!

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 24 de Março de 2021 às 15h20
NASA/JPL-Caltech

O rover Curiosity, da NASA, registrou a passagem de nuvens escuras sobre o Monte Mercou, no último dia 19, na cratera Gale — onde se encontra o robô. Acredita-se que as nuvens sejam formadas principalmente por dióxido de carbono e só poderiam ser vistas a olho nu logo após o pôr do Sol.

O vídeo que mostra os movimentos das nuvens na atmosfera marciana é o resultado de oito imagens registradas pelo Curiosity. O conteúdo foi divulgado pelo professor associado de Ciência Planetária da Universidade Estadual da Carolina do Norte, Paul Byrne, em publicação no Twitter, que diz: “nuvens no céu, passando suavemente no alto”.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O monte no campo de visão da câmera de navegação direita do rover se trata do Monte Mercou, uma camada de sedimentos com cerca de sete metros de altura. Essas mesmas camadas também são encontradas à beira de leitos de rios secos aqui na Terra — o que torna o monte um interessante destaque para as lentes do robô. O Curiosity está estacionado ali na cratera Gale há algum tempo enquanto usa suas ferramentas científicas para compreender o ambiente ao seu redor. “As texturas e variações de cores no penhasco são hipnotizantes e estamos nos esforçando para entendê-las”, disse Lucy Thompson, geóloga planetária da Universidade de New Brunswick, no Canadá.

Visão do Monte Mercou, na cratera Gale, pelas entes do rover Curiosity (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

As nuvens são muito finas e os cientistas acreditam que detritos espaciais, ao atingirem a tênue camada atmosférica do planeta, criem pequenas partículas que facilitam a formação dessas nuvens — basicamente formadas por dióxido de carbono —, as quais podem chegar a uma altura aproximada de 99 km.

Fonte: Futurism

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.