Poeira lunar pode matar células e alterar o DNA, sugere estudo

Por Jessica Pinheiro | 08 de Maio de 2018 às 16h08
photo_camera NASA

O pó da Lua é um perigo à saúde, e isso não é exatamente um segredo. O problema é que agora um alerta vermelho parece ter surgido para os astronautas que podem precisar ficar no satélite natural por muito tempo, durante missões a longo prazo, já que a poeira lunar pode ser muito mais prejudicial do que se imaginava, principalmente se for inalada, de acordo com um novo estudo.

A missão Apollo, que durou entre a década de 1960 e começo de 1970, trouxe registros de astronautas reclamando a respeito de espirros e olhos lacrimejando – isso depois de terem retirado a poeira de seus trajes espaciais quando estavam nas espaçonaves.

Isto é um pouco preocupante, pois a projeção do equipamento de pouso lunar precisa levar em conta não apenas as rochas, mas também o pó da Lua, pois ele se prende a tudo. Todavia, o novo estudo a respeito deste perigo vem testando uma poeira lunar artificial em células de ratos de laboratório e em células humanas. Na simulação, quando ambos os casos são expostos, o pó da Lua mata as células ou danifica seu DNA.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

De acordo com o autor do estudo e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Stony Brook, Bruce Demple, quando as partículas são muito pequenas e elas são aspiradas, elas podem interagir diretamente com as células do hospedeiro.

Durante a missão Apollo, a poeira reproduzida pela superfície lunar se acumulou no traje espacial, causando irritação e olhos lacrimejantes nos astronautas quando estes retornavam às suas espaçonaves (Imagem: ResearchGate)

Não é qualquer poeira

Não existem semelhanças entre a poeira terrestre e o pó da Lua; afinal, sem clima ou atmosfera, o solo lunar permanece seco e potencialmente repleto de eletrostática – ou assim sugere um artigo publicado no GeoHealth há cerca de um mês. Além disso, a esfera foi bombardeada com meteoritos e micrometeoritos que podem ter danificado ou pulverizado a terra lunar.

A verdadeira poeira lunar, por sinal, é difícil de ser manejada, o que torna a pesquisa um tanto quanto limitada. Além do mais, as células foram cultivadas fora de uma criatura real para os testes. Ainda assim, o perigo que já havia sido alertado há muitos anos foi confirmado com este novo estudo, de que o pó da Lua é perigoso para a saúde.

Como já comentado anteriormente, a poeira simulada matou as células e alterou o seu DNA, em especial após ter sido transformada em pedaços menores (de escala micrométrica). Por outro lado, a reatividade química do pó lunar possui capacidade de criar espécies reativas de oxigênio (um tipo de molécula descrita como radical livre), pouco capazes de causar danos.

O estudo ainda não foi concluído, uma vez que não ficou claro o que realmente faz a poeira ser prejudicial. Com o que foi observado, porém, os cientistas desta pesquisa aguardam que a NASA possa adquirir uma poeira lunar real para testes aprofundados. Desta forma, será possível antecipar o que a exposição a longo prazo fará com a saúde dos astronautas.

Fonte: Gizmodo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.