Nereidum Montes: sonda Mars Express registra imagens dos "Alpes de Marte"

Nereidum Montes: sonda Mars Express registra imagens dos "Alpes de Marte"

Por Danielle Cassita | 07 de Setembro de 2020 às 11h20
ESA/DLR/FU Berlin

Recentemente, a câmera High Resolution Stereo Camera (HRSC) da sonda Mars Express fez belos registros de trechos das montanhas Nereidum Montes, em Marte. Desde 2004, a HRSC vem mapeando o Planeta Vermelho em imagens de altíssima resolução, com profundidade e cores. Assim, as imagens mostram uma paisagem diversa, que foi esculpida aos poucos pela ação do vento, água, gelo e forças tectônicas.

A região, considerada os "Alpes de Marte", também é conhecida como “Montanhas das Nereiades”, nome escolhido durante a era espacial devido às filhas de Nereus, deus grego do mar, e Doris, a filha de Oceanos e Tethis. As imagens são detalhadas e mostram os diversos processos geológicos que ocorreram após a formação da bacia Argyre, que ocorreu há quatro bilhões de anos.

Dunas e estruturas de erosão em Nereidum Montes (Imagem: ESA/DLR/FU Berlin)

Assim, as montanhas Nereidum Montes fazem parte da parte nordeste de Argyre, que tem diâmetro de 1.800 quilômetros e profundidade que vai até cinco quilômetros. Trata-se da segunda maior bacia de impacto em Marte, e fica atrás apenas de Hellas Planitia. Assim como os Alpes da Terra, a cadeia de montanhas Nereidum Montes se estendem por mais de mil quilômetros em uma direção que forma um arco paralelo ao limite da bacia. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

De fato, estas montanhas se parecem com os Alpes europeus, mas eles se formaram por processos bem diferentes: na verdade, as Nereidum Montes surgiram como resultado do impacto de um asteroide extremamente grande — o impacto foi capaz de formar tanto uma bacia em formato de arco quanto anéis de montanha nos limites da bacia. Enquanto isso, os Alpes foram formados pela colisão da placa tectônica Africana com a Eurasiana. 

Um passado geológico ativo

(Imagem: ESA/DLR/FU Berlin)

Descobertas recentes mostram que os diversos vales que um dia foram preenchidos por rios em Marte se formaram por diferentes processos: entre eles, existem possibilidades como derretimento de geleiras, água corrente de chuvas na superfície, água corrente subterrânea sob geleiras, entre outras. Então, as Nereidum Montes são consideradas uma região crucial para os pesquisadores testarem essas hipóteses. Devido à sua formação, é provável que o derretimento de geleiras seja a possibilidade mais correta. 

Enquanto isso, as dunas de cor mais escura que aparecem nas imagens são um indício da força do vento para transportar grãos de areia por grandes distâncias. Estas dunas têm cor acinzentada devido a antigas cinzas vulcânicas, que costumam vir à superfície do planeta devido a impactos.

A maior parte das crateras de impacto na região são cheias de um material que tem um padrão específico em sua superfície. As estruturas deste padrão sugerem que, no passado, havia ali geleiras cobertas por detritos de rochas. Ainda, é possível que essas formações contenham água congelada em uma camada bem funda de detrito, que evita que essa água se evapore.

Fonte: DLR

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.