NASA trabalha na criação de GPS espacial para viabilizar espaçonaves autônomas

Por Ares Saturno | 18 de Abril de 2018 às 09h28
Tudo sobre

NASA

Utilizando o telescópio Neutron Star Interior Explorer para visualizar a neblina de radiação no espaço, a NASA desenvolveu o Sistema de Posicionamento Galáctico, uma espécie de GPS do universo. Por meio de sinais de pulso, o sistema consegue determinar a localização relativa de corpos celestes.

Isso facilita uma série de operações. Um exemplo é o envio de espaçonaves não-tripuladas para fotografar planetas e outros astros distantes, que podem obter mais sucesso quando os pesquisadores sabem onde os corpos estarão. Outra vantagem acontece em missões tripuladas que perdem o contato com a Terra e que, agora, poderão contar com um sistema de navegação autônomo a bordo.

Esses sistemas podem, inclusive, ajudar nos planos de enviar pessoas a Marte, ou até mesmo abrir o caminho para missões de exploração contínua para que possamos explorar a galáxia para além do que já a conhecemos.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Com o novo sistema, ao invés de confiar em equipamentos de comunicação caros, volumosos e que frequentemente podem apresentar erros, os pesquisadores podem dedicar seus esforços de engenharia para desenvolver espaçonaves que não necessitem entrar em contato com a Terra. Com a adoção do Sistema de Posicionamento Galáctico, torna-se possível pensar em espaçonaves realmente autônomas.

É claro que podemos estar nos dirigindo rumo a um futuro em que nossas naves espaciais robóticas poderiam retornar ao planeta depois de alguns anos, decididas a atacar a humanidade. Mas o potencial para enviar sondas inteligentes aos confins do universo faz com que o risco valha a pena.

Fonte: The Next Web

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.