NASA quer saber a causa de perfuração em nave da ISS, mas Rússia manterá segredo

Por Daniele Cavalcante | 23 de Setembro de 2019 às 21h50
NASA

Em agosto de 2018, a NASA relatou uma queda lenta na pressão da cabine da Estação Espacial Internacional (ISS). A Expedição 56 (equipe que estava a bordo na ocasião) detectou que a causa do vazamento de ar era um pequeno buraco no compartimento orbital da espaçonave russa Soyuz MS-09, que estava acoplada à estação. A Roscosmos (Agência Espacial Federal Russa) sugeriu na época que investigaria o que causou o buraco, mas não divulgaria as descobertas. E, apesar da insatisfação da NASA, parece que as coisas permanecerão em segredo.

De acordo com um relatório da RIA Novosti, agência de notícias internacional russa, o chefe da Roscosmos, Dmitry Rogozin, sugeriu na última quarta-feira (18) que a agência espacial descobriu o que criou o buraco no ano passado, mas não divulgaria a ninguém de fora da Roscosmos. "O que aconteceu está claro para nós, mas não contaremos nada", disse ele em uma reunião com participantes de uma conferência científica.

Após esses relatos, o administrador da NASA, Jim Bridenstine, prometeu falar pessoalmente com o chefe da Roscosmos. "Eles não me disseram nada", confirmou Bridenstine durante uma sessão de perguntas na conferência sobre energia que aconteceu em Houston, na quinta-feira (19). Mas ele enfatizou que, ainda assim, deseja manter boas relações com os russos, um dos dois principais parceiros do complexo em órbita. "Eu não quero deixar um detalhe atrapalhar [o relacionamento], mas claramente não é aceitável que haja buracos na Estação Espacial Internacional", disse ele.

O buraco que a Expedição 56 encontrou na espaçonave era de 2 milímetros. Os astronautas o taparam usando epóxi, gaze e fita resistente, e os russos iniciaram uma investigação. Nas primeiras semanas, Dmitry Rogozin especulou que um micrometeorito poderia ter perfurado o compartimento. Depois, sugeriu que o buraco poderia ter sido feito por um humano, de maneira acidental ou deliberadamente.

Atualmente, a NASA e a Roscosmos são as principais parceiras na construção e na manutenção da ISS, e a agência russa é de extrema importância para as missões espaciais na estação — é que a Roscosmos hoje é a única agência capaz de lançar tripulantes para o espaço, desde que a NASA aposentou o ônibus espacial em 2011. Isso mudará a partir do ano que vem, quando a nave Crew Dragon, da SpaceX, começar a fazer este transporte para os norte-americanos.

Fonte: Space.comHouston ChronicleRIA Novosti

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.