NASA confirma sobrevoo da New Horizons pelo objeto Ultima Thule

Por Patrícia Gnipper | 01 de Janeiro de 2019 às 14h46
NASA
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Conforme previsto, a sonda New Horizons fez neste dia 1º de janeiro de 2019 o histórico sobrevoo pelo objeto 2014 MU69, também conhecido como Ultima Thule. A sonda é equipada com câmeras e sensores, com os primeiros dados oficiais e imagens chegando em breve, mas o canal de comunicação com o aparelho já está aberto e funcionando devidamente, de acordo com comunicado oficial da NASA. Contudo, a imensidão de dados coletados levará até 20 meses para terminar de chegar à Terra.

Até setembro de 2020, então, quando a New Horizons estiver bem longe do Cinturão de Kuiper, rumo à constelação de Sagitário, saberemos tudo o que for possível sobre o misterioso objeto. De qualquer maneira, com este sobrevoo, poderemos conhecer mais sobre o objeto descoberto em 2014 que é remanescente da formação do Sistema Solar. Ultima Thule é, até então, o objeto mais distante explorado com uma sonda construída por humanos.

E Brian May, guitarrista da banda Queen e também astrofísico, lançou uma música comemorativa deste novo feito da NASA, com o vídeo que você pode conferir abaixo:

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Ultima Thule está a 6,4 bilhões de quilômetros da Terra, e as primeiras imagens reais do objeto devem chegar no final desta terça-feira (1). Então, podemos esperar para os próximos dias as primeiras fotografias deste pequeno mundo, confirmando (ou de repente refutando) a suspeita de que o objeto tem um formato bastante curioso, como se fossem dois objetos "grudados" um ao outro, ou, de repente, dois objetos que se orbitam a uma curtíssima distância. Com a primeira leva de dados já analisados, a NASA afirma que o objeto como um todo tem o formato similar ao de um pino de boliche, girando de ponta a ponta, com dimensões de aproximadamente 32 por 16 quilômetros.

Alan Stern, principal investigador da missão New Horizons (que estudou Plutão e suas luas em 2015), ressaltou que "o objeto está em um congelamento tão profundo que é perfeitamente preservado desde sua formação original. Tudo o que vamos aprender sobre o Ultima — desde sua composição à sua geologia, até como foi originalmente formado, se tem satélites, uma atmosfera e esse tipo de coisa — vai nos ensinar sobre as condições originais de formação de objetos em nosso sistema", disse.

A New Horizons deve coletar 900 imagens de Ultima Thule, e as imagens com a maior resolução possível chegarão dentro de três dias. Por sinal, a resolução das fotos tiradas deste objeto será três vezes maior do que a resolução das fotos de Plutão, já que a nave conseguirá se aproximar do objeto ainda mais do que foi capaz de fazer com o planeta-anão.

A NASA fez uma live no YouTube nesta terça-feira (1), apresentando os primeiros resultados que já chegaram da periferia do Sistema Solar. Você pode assistir à gravação da transmissão no vídeo abaixo:

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.