Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

James Webb pode ter revelado buraco negro intermediário e antigo

Por| Editado por Patricia Gnipper | 30 de Março de 2023 às 17h47

Link copiado!

AlexAntropov86/Pixabay
AlexAntropov86/Pixabay

O telescópio James Webb parece ter encontrado o buraco negro intermediário mais antigo já identificado no universo. Com base em sua distância, ele parece ter sido formado apenas 570 milhões de anos após o Big Bang e é 10 milhões de vezes mais massivo que o Sol — por isso ele entra na classe de buracos negros intermediários.

Para encontrá-lo, Rebecca Larson e seu time de pesquisadores da Universidade do Texas apontaram os “olhos” do James Webb a uma galáxia já observada pelo telescópio Hubble, o qual mostrou que ela era uma das mais brilhantes conhecidas naquela região do universo.

O Hubble não conseguiu determinar o que havia dentro da galáxia, mas o James Webb, sim. Com suas câmeras e espectroscópios, o telescópio espacial identificou os diferentes componentes que formaram a luz emitida.

Continua após a publicidade

Esta luz chegava a picos em determinados pontos a depender dos elementos que as produziram. Rebecca explica que um deles tinha um pico e uma assinatura grande que, até então, não havia sido identificada. “No fim, isso veio do buraco negro no centro”, explicou.

Já se sabe que várias galáxias têm buracos negros supermassivos em seus centros, mas os cientistas ainda não entendem exatamente como eles cresceram tanto. É possível que tenham nascido de buracos negros menores, vindos do colapso das primeiras estrelas, que se fundiram ao longo do tempo.

De forma geral, os buracos negros são classificados de acordo com suas massas e podem ser classificados como estelares e supermassivos. Já este identificado pela equipe parece ser do tipo intermediário — ou seja, um "meio termo" entre os dois tipos principais. Por enquanto, ele é o único exemplo de buraco negro de massa intermediária existente em uma etapa tão primordial do universo.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado no repositório online arXiv, ainda sem revisão de pares.

Fonte: arXiv; NewScientist