Idade da estrela Matusalém é recalculada — e ela não é mais velha que o universo

Por Daniele Cavalcante | Editado por Patrícia Gnipper | 21 de Maio de 2021 às 19h40
Maciej Szyszko

Nem sempre medições astronômicas são muito confiáveis, e o caso da estrela Matusalém é um ótimo exemplo. Ela fica a cerca de 200 anos-luz da Terra e intrigou a comunidade científica porque, de acordo com alguns cálculos, teria 14,5 bilhões de anos. O problema é que o Big Bang aconteceu há 13,8 bilhões de anos. Felizmente, novos estudos estão redefinindo a idade da estrela, chegando a números bem mais confortáveis, por assim dizer.

Existem algumas formas de saber se uma estrela é muito antiga ou muito jovem, e uma delas é através da análise dos níveis de metalicidade. É que as estrelas são as produtoras de muitos dos elementos da tabela periódica, mas elas só começaram a produzir metais, como ferro, muito depois do Big Bang. Isso significa que, no início do universo, só havia hidrogênio e hélio.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Só em gerações de estrelas posteriores surgiriam as estrelas capazes de fundir metais em seus núcleos, e explodir em supernovas para espalhar esses elementos pelo universo, disponibilizando-os nas nuvens onde novas estrelas se formam. É através desse ciclo que ferro, níquel, ouro, entre outros, surgem e se disseminam pelo cosmos, “contaminando” as próximas estrelas que vierem a existir. Então, se uma estrela possui pouca metalicidade, significa que ela é velha.

A estrela Matusalém (Imagem: ReproduçãoNASA/GSFC/SkyView/DSS2)

Este é o caso da Matusalém, oficialmente catalogada como HD 140283. Ela é relativamente semelhante ao Sol e está em nossa galáxia, um tanto perto de nosso planeta. Sua metalicidade é 0,004 a do Sol, o que implica uma idade muito avançada — daí o apelido de Matusalém. A polêmica veio quando uma medição de 2013, usando o telescópio Hubble, estimou a idade dela em cerca de 14,5 ± 0,8 bilhões de anos (± 0,8 significa a margem de erro).

Em números mais estritos, o universo tem 13,77 ± 0,04, então a conta não fecha. Em 2017, uma equipe liderada por Howard Bond, professor do departamento de astronomia e astrofísica da Universidade da Pensilvânia, já havia redefinido a margem de erro para a idade da Matusalém para ± 0,8 — até então a margem era de ± 0,31 —, o que facilitou um pouco as coisas. Mas ainda não havia uma idade muito bem definida para a “boa velhinha”.

Assim, uma outra equipe usou as melhores medições cósmicas até o momento para criar modelos de como as estrelas mudam ao longo do tempo. Eles usaram um software que automatiza boa parte do processo, e propriedades básicas das estrelas como massa, luminosidade, conteúdo elementar (ou seja, metalicidade), entre outras. Para o alívio de todos os cosmólogos, eles concluíram que a idade da Matusalém é 12,01 ± 0,05 bilhões de anos. Ufa! Tudo segue em ordem na linha cronológica do universo.

A Matusalém é uma subgigante de baixa metalicidade, em processo de se tornar uma gigante vermelha. Isso significa que seu núcleo de hidrogênio vai se esgotar, ela vai se expandir por um tempo, e depois se reduzirá a uma anã branca de baixa massa. O novo estudo foi publicado na Research Notes of the AAS, que é uma revista de indexação de artigos ainda não revisados por pares.

Fonte: Bad Astronomy

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.