Helicóptero Ingenuity enfrenta falha em sensores e inverno em Marte

Helicóptero Ingenuity enfrenta falha em sensores e inverno em Marte

Por Danielle Cassita | Editado por Rafael Rigues | 07 de Junho de 2022 às 15h28
NASA/JPL-Caltech/ASU

O helicóptero Ingenuity está enfrentando condições cada vez mais desafiadoras em Marte: além das quantidades crescentes de poeira na atmosfera, somadas ao frio e dias curtos do inverno marciano, o Ingenuity sofreu uma falha no inclinômetro, um sensor de navegação. O ocorrido é, de fato, motivo para preocupações, mas não significa necessariamente o fim dos voos do helicóptero no Planeta Vermelho — principalmente porque a equipe já planejou uma forma de contornar o problema e seguir com novos voos.

O problema no sensor foi identificado pela equipe do Ingenuity durante verificações de seus sensores e atuadores antes de um voo. Quando está em ação, o sistema de controle a bordo do Ingenuity acompanha a posição atual, velocidade e orientação dele com uma unidade de medida inercial (IMU), um telêmetro a laser e uma câmera de navegação. Os dados destes sensores são processados por algoritmos.

Helicóptero Ingenuity fotografado pelo instrumento Mastcam-Z, do rover Perseverance (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/ASU/MSSS)

Eles precisam ser inicializados antes da decolagem do helicóptero com algumas estimativas fornecidas pelo inclinômetro. Trata-se de um instrumento formado por dois acelerômetros, que coletam medidas da gravidade para determinar a orientação do Ingenuity em relação ao "solo". Agora que este instrumento falhou, a equipe está procurando meios de iniciar os algoritmos de navegação do helicóptero sem o sensor.

Para completar, o Ingenuity vem enfrentando o inverno marciano: devido às condições da estação atual, as reservas de energia do Ingenuity diminuíram tanto que ele não consegue mais se manter aquecido à noite. Neste paradigma de operação, a aeronave é desativada e passa as noites com temperatura interna de -80 ºC; isso põe em risco os componentes eletrônicos do helicóptero, que não foram projetados para resistir a tanto frio e mudanças de temperatura.

A falha e a solução

A boa notícia é que o Ingenuity tem um conjunto de sensores projetados para ter certa redundância para a coleta de medidas em solo — o IMU, por exemplo, tem acelerômetros como o inclinômetro, que podem ser usados para estimar a posição inicial. Assim, a equipe acredita que as estimativas iniciais do IMU devem ajudar o Ingenuity a decolar novamente com segurança, permitindo a realização de novos voos.

O rover Perseverance auxilia na comunicação do Ingenuity com a Terra (Imagem: Reprodução/NASA)

Eles planejaram atualizar o software do computador de bordo do helicóptero, que irá interceptar dados desnecessários do inclinômetro e vai injetar as informações substitutas, vindas dos dados do IMU. Como a equipe já esperava que algo do tipo pudesse acontecer, eles deixaram o novo código para o software pronto antes mesmo da chegada da missão a Marte, no ano passado.

Depois de aplicar o "patch" no software, eles devem conduzir alguns testes para garantir que tudo está funcionando conforme o planejado. “Salvo surpresas adicionais, antecipamos que o Ingenuity decolará no Voo 29, em uma nova posição a sudoeste para manter o alcance da comunicação com o rover Perseverance, em um futuro próximo”, escreveu em um comunicado Håvard Grip, piloto-chefe do Ingenuity no Laboratório de Propulsão a Jato, da NASA.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.