Empresas espaciais querem criar habitats comerciais na órbita baixa da Terra

Por Patrícia Gnipper | 30 de Maio de 2019 às 08h22
Blue Origin/NASA
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

A NASA divulgou nesta semana propostas que recebeu de 12 empresas espaciais para a criação de habitats comerciais que seriam posicionados na órbita baixa da Terra. Com isso, a indústria privada quer que a agência espacial dos EUA participe desse movimento, com esses habitats também podendo ser usados como locais de pesquisa, para além da questão comercial da coisa. As empresas são: Axiom Space, Blue Origin, Boeing, Deloitte, KBRWyle, Lockheed Martin, McKinsey & Company, NanoRacks, Northrop Grumman, Sierra Nevada Corporation, Space Adventures e Maxar Technologies.

Uma ideia é transformar o segmento estadunidense da Estação Espacial Internacional (ISS), talvez deixando-o sobre controle de empresas privadas para que sua manutenção continue sendo feita depois que o governo do país não mais investir na estação — coisa que provavelmente acontecerá até o fim da década de 2030, se não houver nenhum plot twist até lá. Só que a NASA ainda quer ter algum acesso a seu segmento da ISS mesmo após a estrutura ser controlada por empresas privadas — e é aí que entram parcerias como as propostas agora.

As 12 empresas em questão propõem várias maneiras pelas quais elas poderiam assumir as operações estadunidenses na órbita baixa da Terra, sendo que algumas delas, como Blue Origin e NanoRacks, propuseram a construção de suas próprias estações espaciais. Outras, como é o caso da Axiom, imaginam o lançamento de módulos comerciais que seriam acoplados à ISS por alguns anos antes de se separarem para formar estações privadas e independentes.

Conceito de habitat comercial da Lockheed Martin (Imagem: NASA)

Para sustentar tais habitats, as empresas consideram uma ampla gama de modelos de negócios, propondo o uso dessas estações como locais para filmagens, patrocínios, esportes, turismo e outras atividades lucrativas. Contudo, a NASA ressalta que o alto custo para enviar pessoas e cargas ao espaço pode dificultar bastante a entrada das empresas privadas nessa nova jogada — ao menos até que soluções como foguetes reutilizáveis e naves sustentáveis sejam o padrão desta indústria, barateando os lançamentos.

Por enquanto, essas propostas são apenas conceitos e a NASA não bateu o martelo, ainda, em nenhuma estratégia para comercializar a baixa órbita da Terra. A agência espacial também ainda não deixa claro quais os exatos planos para a ISS no futuro — há legisladores dos EUA tentando aprovar uma lei que garanta que a NASA continue operando a estação até 2030, então, por enquanto, tudo ainda está no campo dos estudos e especulações.

Fonte: NASA (1) e (2)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.