E a primeira pessoa comum a "dar um rolê" ao redor da Lua será Yusaku Maezawa

Por Patrícia Gnipper | 17 de Setembro de 2018 às 23h49
SpaceX
Tudo sobre

SpaceX

Saiba tudo sobre SpaceX

Ver mais

Na última sexta-feira (14), a SpaceX revelou, por meio de seu Twitter, que nesta segunda (17) às 22h anunciaria o nome da primeira pessoa comum (ou seja, não astronauta) que terá o privilégio de conhecer a Lua de pertinho. Também pelo Twitter, Musk respondeu a um seguidor que queria extrair alguma dica do CEO sobre a identidade do passageiro misterioso, e a resposta foi apenas uma bandeira japonesa, sugerindo que a tal pessoa poderia ser do país asiático.

Pois bem, durante evento que foi transmitido ao vivo, houve a aguardada revelação: o primeiro passageiro que será levado à Lua por meio do novo foguete BFR será o empresário japonês Yusaku Maezawa, que é um grande colecionador de arte. O bilionário asiático, segundo a Forbes, vale US$ 3,6 bi e foi listado como a 14ª pessoa mais rica do Japão em 2017; segundo a Bloomberg, sua fortuna atualmente está na casa dos US$ 2,3 bilhões.

MZ (como gentilmente pediu para ser chamado) começou sua declaração dizendo que "I choose to do to the Moon" ("Eu escolho ir à Lua"), em alusão à icônica declaração do presidente John F. Kennedy em 1962, quando os Estados Unidos revelaram ao mundo o início do programa Apollo, cujo objetivo era justamente levar a humanidade à Lua. O empreendedor explica que sempre foi apaixonado pela Lua, que continuamente inspira a humanidade e, portanto, não poderia perder a oportunidade de vê-la de perto.

A viagem histórica acontecerá em 2023 com duração estimada de 1 semana, e MZ decidiu comprar as passagens de todos os assentos da nave, mas muito longe de ser egoísta com isso: sua ideia é convidar de 6 a 8 artistas de todo o mundo, incluindo pintores, escultores, fotógrafos, músicos, diretores de cinema, designers de moda e arquitetos, para acompanhá-lo. O valor a ser gasto pelo japonês nessa empreitada, contudo, não foi revelado.

Dear Moon Project

MZ também anunciou a iniciativa que criou com a SpaceX para divulgar mais informações sobre a viagem histórica a todo momento, chamada Dear Moon (ou "querida Lua", em tradução para o português). Um site oficial já está no ar com informações preliminares, incluindo o cronograma do projeto.

Além disso, a hashtag #dearmoon foi lançada para reunir tudo o que MZ e a SpaceX têm a informar sobre a empreitada histórica, e perfis em redes sociais também foram criados no Twitter e no Instagram, além de um canal no YouTube.

Por que ir à Lua?

Elon Musk disse que "a razão pela qual a SpaceX foi criada foi para acelerar o advento da humanidade se tornando uma civilização verdadeiramente espacial". Em sua visão, o CEO da SpaceX acredita que a humanidade precisa se tornar uma "civilização multi planetária" por causa "do risco de que a civilização da Terra como a conhecemos possa ser destruída".

Para Musk, a viagem espacial é algo que "nos faz orgulhosos de sermos seres humanos", dizendo, ainda, que a série de livros Fundação, de Isaac Asimov, foi uma inspiração-chave para o surgimento da SpaceX, reforçando a máxima atribuída ao mesmo autor de que "a ficção científica de hoje é o fato científico de amanhã".

Elon Musk garantiu que o BFR será testado várias vezes para garantir os padrões de segurança necessários, e testes não tripulados serão conduzidos dentro de dois ou três anos, simulando a viagem sem passageiros a bordo. Já na viagem oficial e tripulada, o foguete, com a cápsula onde a tripulação será acomodada, dará uma meia-volta ao redor da Terra, ganhando impulso para chegar à órbita da Lua e, então, após rodear o satélite natural, o BFR retornará ao nosso planeta para um pouso seguro. Sendo assim, os turistas espaciais não somente poderão ver a Lua como se fossem astronautas do programa Apollo, como também dar uma voltinha ao redor da Terra, admirando a beleza de nosso planeta diretamente do espaço.

Já sobre o custo de desenvolvimento do BFR, Musk não revelou um valor exato, gaguejando um pouco para dizer que esse valor é de "aproximadamente US$ 5 bilhões", não sendo "mais de US$ 10 bi, e não sendo menos de US$ 2 bi". Sim, é uma grande quantidade de dinheiro, mas, em suas palavras, "é pouco para um projeto desta magnitude".

E quando questionado sobre quais mundos do Sistema Solar o BFR será capaz de visitar, Musk garante que os gigantes gasosos estão fora de cogitação, enquanto Vênus também está excluído. Portanto, o foguete provavelmente é ideal para viagens à Lua e também para Marte — com a SpaceX já tendo publicamente, e em várias ocasiões, anunciado planos ousados de levar a humanidade ao Planeta Vermelho nas próximas décadas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.