Publicidade

Destaque da NASA: aglomerado de galáxias Perseu na foto astronômica do dia

Por| Editado por Patricia Gnipper | 08 de Novembro de 2023 às 17h25

Link copiado!

ESA/Euclid Consortium/NASA,J.-C. Cuillandre, G. Anselmi
ESA/Euclid Consortium/NASA,J.-C. Cuillandre, G. Anselmi

A Agência Espacial Europeia revelou as primeiras fotos coloridas do seu telescópio espacial Euclid, e uma delas é o destaque da NASA nesta quarta-feira (8). A imagem mostra o aglomerado de galáxias Perseu em detalhes sem precedentes.

O Euclid conta com duas câmeras panorâmicas, e seus instrumentos capturam comprimentos de onda desde a luz visível até o infravermelho próximo. Após cinco horas de observação, o Euclid registrou a imagem abaixo:

Continua após a publicidade

Há mais de 100 mil galáxias visíveis no fundo da imagem, e algumas delas estão a 10 bilhões de anos-luz de nós. Os vários detalhes se devem a alguns fatores, como o amplo campo de visão do Euclid, sua grande resolução angular e a sensibilidade ao infravermelho.

Estes recursos poderosos vão ser usados para o Euclid estudar grandes porções do céu, registrando mais de dois bilhões de galáxias. Os resultados vão ajudar os cientistas a estudar como a energia e a matéria escura afetaram o universo. .

Aglomerado de galáxias Perseu

Também chamado de Abell 426, o aglomerado de galáxias Perseu fica na constelação homônima a 240 milhões de anos-luz da Terra. Ele é formado por milhares de galáxias imersas em uma nuvem de gás quente.

Continua após a publicidade

Ele é considerado uma das estruturas mais massivas do universo, e a foto do Euclid mostra detalhadamente as galáxias existentes ali. Apesar de muitas delas já serem conhecidas, o novo telescópio traz galáxias anãs que não estavam visíveis nas imagens capturadas por outros instrumentos.

Os astrônomos descobriram que aglomerados de galáxias como o Perseu só podem ser formados se a matéria escura existir; sem ela, as galáxias estariam distribuídas uniformemente no universo, e não agrupadas em aglomerados. Ao estudar as galáxias ali, os astrônomos podem entender melhor como a matéria escura é distribuída.

Fonte: APOD