Cosmonautas identificam mais três possíveis vazamentos de ar na ISS

Cosmonautas identificam mais três possíveis vazamentos de ar na ISS

Por Danielle Cassita | Editado por Patrícia Gnipper | 06 de Abril de 2021 às 13h00
NASA/Roscosmos

De acordo com informações de uma fonte da indústria espacial, os cosmonautas Sergey Ryzhikov e Sergey Kud-Sverchkov, que estão a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS), identificaram mais três possíveis fontes de vazamento de ar na câmara intermediária do módulo russo Zvezda. Estes possíveis novos vazamentos se somam aos outros que já haviam sido identificados anteriormente.

Na verdade, o problema com o vazamento de ar na ISS já se estende há mais de um ano: um pequeno vazamento de ar foi identificado inicialmente em 2019, que foi quando a NASA observou um pequeno aumento acima da taxa de vazamento de ar padrão. Contudo, como havia outras operações em andamento na época, a agência espacial demorou um pouco para reunir dados suficientes sobre o problema. Com o aumento observado, a NASA passou a trabalhar em um plano para encontrar a origem do problema.

Depois de se confinarem no módulo russo da estação algumas vezes, os astronautas descobriram que o vazamento vinha da área principal do módulo russo Zvezda. Após realizar várias buscas, os cosmonautas descobriram que o vazamento vinha de uma pequena rachadura presente no compartimento de intersecção do módulo Zvezda. A rachadura, parecida com um arranhão, foi remendada, e a taxa de saída de ar caiu pela metade. Embora o problema tenha recebido uma solução temporária, Vladimir Soloviev, diretor de voo do segmento russo da ISS, reportou que a pressão de ar na estação continuou caindo.

O módulo russo Zvezda (Imagem: Reprodução/NASA)

Já em março, surgiu a possibilidade de haver outra rachadura, além daquela que foi encontrada inicialmente. Para buscar e eliminar a possível nova saída de ar, os cosmonautas Sergey Ryzhikov e Sergey Kud-Sverchkov abriram perfurações nas pontas das duas rachaduras para evitar que aumentassem, e depois as cobriram com material selante. Eles fecharam as escotilhas para verificar como ficaria a pressão após o conserto, e notaram que mesmo assim houve uma pequena queda no nível de ar.

Ainda neste ano, Dmitry Rogozin, diretor da agência espacial russa Roscosmos, sugeriu que a rachadura pode ter sido aberta pelo impacto de um micrometeorito, mas também propôs que o problema fosse de "natureza tecnológica". A possibilidade do micrometeorito já havia sido levantada pela Roscosmos no ano passado, mas os especialistas da agência espacial russa consideraram que ainda era cedo para confirmar que a causa do problema era um impacto do tipo.

Felizmente, segundo informações da fonte da indústria, os cosmonautas já identificaram nesta semana as possíveis novas origens de vazamento de ar e as cobriram com material selante. Agora, a câmara intermediária irá passar por algumas verificações para a equipe de controle analisar se o material ajudou a conter a saída de ar.

Para compensar o vazamento de ar, a ISS precisa ser pressurizada regularmente e, para isso, suprimentos são enviados em naves cargueiras. Vale lembrar que a Roscosmos já reforçou que o vazamento não coloca a tripulação em risco, já que os astronautas são treinados para lidar com situações do tipo.

Fonte: Sputnik News

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.