Cinco supernovas são descobertas entre os dados do aposentado telescópio Spitzer

Cinco supernovas são descobertas entre os dados do aposentado telescópio Spitzer

Por Daniele Cavalcante | Editado por Patrícia Gnipper | 04 de Agosto de 2021 às 16h05
ESO / L. CALÇADA

Embora as supernovas estejam entre os eventos mais energéticos do universo e os astrônomos saibam estimar quantas deveriam ser detectadas pelos telescópios, não é muito fácil encontrá-las. A discrepância entre a previsão dos modelos e as observações incomoda os cientistas há algum tempo, mas um novo estudo acaba de apontar o problema e mostrar um caminho para resolvê-lo.

Um dos obstáculos para observar supernovas é a poeira cósmica, formada por pequenas partículas que formam nuvens gigantescas e opacas. São essas nuvens que dão origens às novas estrelas, mas uma região muito "empoeirada" também atrapalha a observação, porque essas partículas absorvem e espalham a luz visível. No entanto, isso não ocorre com a luz infravermelha, e este foi o trunfo dos autores do novo estudo.

Para saber se a luz infravermelha permitiria encontrar supernovas "escondidas", os pesquisadores decidiram procurar nos dados da missão Spitzer, um telescópio já aposentado da NASA, especializado nesse comprimento de onda. Ao procurar por possíveis candidatos, a equipe selecionou um conjunto de 40 galáxias infravermelhas luminosas (LIRGs) e ultraluminosas (ULIRGs), e acabaram por encontrar cinco supernovas que haviam passado despercebidas na luz óptica.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A galáxia Arp 148, capturada pelos telescópios Spitzer e Hubble da NASA, e uma supernova descoberta pelo novo estudo em destaque dentro do círculo branco
(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Ccaltech)

De acordo com o cientistas Ori Fox, principal autor do estudo publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, "esses resultados com o Spitzer mostram que as pesquisas ópticas nas quais confiamos há muito tempo para detectar supernovas perdem até metade das explosões estelares que acontecem no universo". A boa notícia é que, agora, os astrônomos saberão como procurar por supernovas em outras galáxias no futuro.

Outro ponto positivo da descoberta é que a quantidade de supernovas encontradas leva as observações para mais perto das previsões de modelos de formação estelar. É possível que, agora, cientistas vasculhem ainda mais os dados do Spitzer à procura de outras candidatas a explosões de estrelas, mas o melhor é que os telescópios de próxima geração — como o Nancy Grace Roman e o James Webb — também serão grandes detectores de luz infravermelha.

Fonte: NASA

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.