Arianespace enfim consegue lançar foguete Vega com diversos satélites a bordo

Arianespace enfim consegue lançar foguete Vega com diversos satélites a bordo

Por Danielle Cassita | 03 de Setembro de 2020 às 17h50
ESA/CNES/Arianespace

Nesta quarta-feira (2), o foguete Vega, da francesa Arianespace, foi lançado com sucesso na Guiana Francesa. O lançamento faz parte de uma missão de demonstração, e o foguete carregou consigo mais de pequenos 50 satélites da Planet, Kepler, Swarm Technologies e outras empresas, que serão posicionados para orbitar nosso planeta. Estes satélites irão analisar condições da Terra, monitorar a qualidade de ar, entre outras tarefas.

A missão está apresentando o novo dispensador desenvolvido em conjunto pela Agência Espacial Europeia (ESA) junto da empresa Avio, que permite o lançamento de diferentes satélites em uma só viagem para o espaço. O segredo desta capacidade está no design do dispositivo: ele é composto por blocos de formação, que podem ser separados ou combinados para serem utilizados em satélites de diferentes tamanhos.

Confira o momento do lançamento:

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Em lançamentos futuros, é possível até que o foguete leve cargas úteis mais diversas: como o dispensador tem essa flexibilidade, a Arianespace poderá levar outros satélites nas próximas missões. Assim, a empresa já pensa em lançar algumas missões semelhantes ao lançamento do Vega, com cargas a bordo. Stella Guillen, vice-presidente de vendas e marketing da Arianespace, destaca a vantagem do dispensador: “nosso dispensador é único porque é muito flexível, e pode ser adaptado para diferentes missões”, comenta ela. Como é possível separá-lo e utilizá-lo em diferentes missões, “é possível carregar satélites de tamanhos variados, que vão desde os CubeSats até os microssatélites”.

Para a Arianespace, o Vega deverá se tornar uma opção viável para operadores de pequenos satélites, porque será possível levar vários deles de uma só vez e, assim, os custos serão reduzidos. Aliás, a francesa também já pensa em uma versão ainda mais potente do Vega: trata-se do Vega-C, que será capaz de realizar outras manobras durante o voo para posicionar satélites em diferentes órbitas.

O foguete deveria ter sido lançado em 2019, mas uma falha ocorreu a apenas dois minutos antes do lançamento. Depois, o Vega deveria ter voado no início de 2020, mas sofreu diversos atrasos tanto pela pandemia de COVID-19 quanto por condições climáticas desfavoráveis.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.