A Lua agora pode ser lar dos tardígrados, os animais mais resistentes da Terra

Por Daniele Cavalcante | 07 de Agosto de 2019 às 13h14

A Lua agora é provavelmente o novo lar de milhares de animais milimétricos, espalhados na superfície inóspita do nosso satélite natural graças à queda de uma nave israelense. Sim, eles podem ter sobrevivido por lá. Estamos falando de tardígrados - também chamados de ursos da água -, as criaturas mais resistentes da Terra.

No dia 11 de abril deste ano, a Beresheet seria a primeira espaçonave privada a pousar na Lua, mas, pouco antes do pouso, o controle da missão perdeu contato com a nave e ela caiu no solo lunar devido a uma falha técnica no motor. A espaçonave estava a apenas 14 km de distância da superfície, o que tornou "impossível reduzir a velocidade da espaçonave" enquanto ela descia.

Em uma sala de conferências em Los Angeles, Nova Spivack recebia a confirmação de que a nave havia sido destruída. Acontece que Spivack é o fundador da Arch Mission Foundation (ou “Fundação Missão Arca”), uma organização sem fins lucrativos que pretende criar um “backup” da humanidade, arquivando conhecimento e espécies do nosso planeta.

Dentro da nave israelense, estava uma carga dessa Fundação - um disco do tamanho de um DVD contendo 30 milhões de páginas de informações, amostras de DNA humano... e milhares de tardígrados. Essa seria a primeira biblioteca lunar da fundação, se não tivesse sido destruída. No entanto, os ursos da água podem ter sobrevivido. Eles são conhecidos por resistir a praticamente quaisquer condições e ambientes, incluindo o espaço, ao menos na teoria.

Simpático? Nem tanto. Mas resiliente? Muito!

Resiliência da vida

Cientistas têm aprendido com os tardígrados sobre as possibilidades de resistência da vida, e descobriram que diferentes espécies desses animais têm diferentes capacidades de se adaptar em uma ampla variedade de dificuldades ambientais. Eles podem sobreviver após ficarem presos no gelo por décadas e em condições secas eles se encolhem em forma de pílula - chamada de tonel - que lhes permite sobreviver sem água por décadas.

Em 2007, a Agência Espacial Europeia (ESA) lançou um satélite com uma carga de tardígrados em forma de tonel, e os expôs ao vácuo do espaço e à radiação cósmica. Dez dias depois, os ursos da água foram trazidos de volta à Terra e reidratados, e muitos deles sobreviveram. São os primeiros animais registrados a resistir à completa exposição ao espaço. É por isso que a expectativa de que tenham sobrevivido na Lua é tão grande.

Acredita-se que a Beresheet ejetou o disco que continha a biblioteca lunar da Arch Mission Foundation durante o impacto. Isso significa que o material está em algum lugar perto do acidente. Se os tardígrados estivessem na forma de tonel, o metabolismo deles teria sido reduzido em 99,99% para sobreviver às novas condições e esperar um ambiente mais adequado.

Será fascinante se, em nossas próximas missões à Lua, como as futuras missões do Programa Artemis, da NASA, encontrássemos esses animais ainda vivos por lá. Isso nos ajudaria a aprender ainda mais sobre a resiliência da vida no cosmos.

Fonte: Wired

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.