Um novo ano. Tendências não tão novas assim

Por Fernando Seabra | 13 de Fevereiro de 2020 às 12h40

Quando pensamos em delimitar, pensar ou até prever, quais serão as tendências para o ano que se inicia, pensamos sempre em projetar algo além, olhar lá na frente, buscando talvez algo inédito, nunca pensando e inteiramente inovador, como se as tendências não tivessem bases sólidas que as antecedem.

Para 2020, comecei a refletir ainda no ano anterior, sobre quais seriam de fato as reais necessidades e inovações, que norteariam este ano, dentre elas, quais seriam as reais necessidades que contribuiriam de maneira real para o desenvolvimento e crescimento dos negócios e claro, dos colaboradores envolvidos em tal processo.

Cheguei a três pontos relevantes, sendo eles: UX, Sustentabilidade e o bom e velho “Marketing”, parceiro indispensável do que sabemos permear tudo em nossa existência: A Venda. Vendemos desde o momento de nosso nascimento, que em busca de alento e proteção, emitimos nosso primeiro som a esse mundo, no caso, o choro que será linguagem por um período do percurso.

O que de fato devemos observar é o centro de todas as tendências neste ano, pois todos os caminhos acabam convergindo em capital humano, que embora saibamos que as tecnologias estejam cada vez mais avançadas, não sendo a transformação digital algo inalcançável ou particularidade apenas das grandes empresas, cada vez mais vemos em PME´s nuances da tecnologia que vem facilitando o cotidiano dos usuários.

Entretanto, o capital humano continua sendo o bem mais precioso e centro de todos os processos dentro desse novo ano, sendo que UX, sustentabilidade e agora o neuromarketing, lidam diretamente com pessoas frente a todos os processos.

Em primeiro lugar, o que irá se intensificar e já era previsto no ano anterior, é a venda com foco na experiência e não apenas no produto em si, um exemplo magnífico são marcas como a Starbucks, que vende sua embalagem, aroma, ambiente, valor agregado e por fim, não menos importante um delicioso café em um copo reciclável, que é inconfundível quando batemos de longe os olhos na marca.

Saiba que a experiencia trará muito e muitos adeptos, sendo que muitas pesquisas vêm sendo feitas em torno do novo usuário que vem se construindo, considerando as novas gerações, inclusive a Y, consomem de uma maneira diferenciada e consciente, que é o ponto inicial para que a sustentabilidade esteja em voga, sendo que dificilmente algo se torna importante sem que existam pessoas que defendam, seja o que for.

No caso da sustentabilidade é extremamente relevante prestar atenção no mercado empreendedor do próximo ano, notando que as novas gerações querem ver acontecer, se aproximando cada vez mais da missão de empresas que trabalham com a Nova Economia.

Os empreendedores buscam constantemente a mudança social e a construção de uma sociedade mais justa, igualitária e sustentável, onde o lucro tem sido visto como um complemento ao propósito que deve trazer grandes transformações para que dores sejam curadas de maneira eficaz, nesse contexto, ideias superficiais não serão aceitas.

Ainda de maneira atrelada com as vendas e a experiências, o marketing tem sido reinventado de maneira constante, uma vez que as pessoas mudam e seus hábitos também, sendo assim, o foco vem crescendo em torno do Neuromarketing, que está muito além de apenas apresentar um determinado produto ou construir um belo “outdoor” com cores que chamem a atenção, é necessário compreender qual é de fato, a builder persona com a qual você pretende se comunicar e isso, requer uma analise delicada e para isso, contamos cada vez mais com estratégias trazidas pela neurociência.

O novo foco é nas novas gerações que já nasceram inseridas em um mundo digital e de mudanças constantes, em que compram-se sensações e lembranças, que cooperam para nosso desenvolvimento enquanto indivíduos.

Além disso, a automação, o UX (experiência do cliente) e o omnichannel (como o cliente se relaciona digitalmente), são estratégias necessárias para aumentar os pontos de contato com os clientes. Ou seja, os empresários devem manter relacionamento e transformar o cliente em grande parceiro de negócio.

Em relação a sustentabilidade, a preocupação com o meio ambiente e os impactos que o mesmo pode sofrer são extremamente relevantes, onde o cuidado com o meio ambiente estará lado a lado com busca pela ética pautada no capital humano, sendo cada vez mais presente nas organizações, em que a nova geração de profissionais não aprende mais da forma tradicional, o acesso constante a informações coopera para que opiniões sejam formadas e conceitos questionados, cada vez mais cresce o número de pessoas que buscam o não desperdício de recursos naturais, o que reflete de maneira significativa nas organizações.

Em tal contexto, podemos afirmar que a tríade: Econômico, Social e Ambiental, tem caminhado juntas dentro das organizações, uma vez que as empresas da atualidade que encontram-se na lista das inovadoras possuem proximidade com a sociedade em seu entorno, foco na preservação no meio ambiente e também compromisso com o desenvolvimento humano de seus colaboradores, que são de fato a engrenagem de todo o processo.

Além disso, uma questão muito importante para as empresas e principalmente, para os colaboradores, é a forma de relacionamento à distância. “O bem mais precioso será o tempo, o que culmina na valorização em trabalhar para empresas com versatilidade de tempo. Eu, por exemplo, trabalho com uma equipe remota e quase não tenho contato por presença física”.

Embora a cada ano, tenhamos o ímpeto de rever o trajeto e redirecionar o caminho, devemos ter a convicção de que é no dia a dia que podemos fazer a diferença, buscando mudanças contínuas que acompanhem as necessidades dos usuários, tendo como base o fato de que nós seres humanos estarmos sempre a frente de todos os processos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.