Estúdios de Hollywood se unem para processar Kim Dotcom e o Megaupload

Por Redação | 08 de Abril de 2014 às 09h20

A notícia parece ter saído do passado, mas aconteceu nesta segunda-feira (08). Unidos sob a tutela da MPAA, a Associação das Empresas Cinematográficas dos Estados Unidos, os estúdios de Hollywood finalmente se organizaram para processar Kim Dotcom e os criadores do Megaupload. As acusações, claro, são de quebra de direitos autorais e pirataria por meio do site fechado em 2012.

No processo, estúdios como Disney, Twentieth Century Fox, Paramount, Columbia, Universal e Warner Bros. afirmam que o antigo serviço servia como um “hub ilegal” para o compartilhamento de arquivos pirateados. Além disso, indicam a existência de um programa de recompensas, que teria pago usuários que hospedassem dados com alto volume de acessos e downloads. Essa descrição, claro, se encaixa perfeitamente aos filmes e séries do momento.

Também faz parte da ação a oferta de assinaturas para acesso, que davam ao usuário vantagens como velocidades maiores para download e acesso imediato aos arquivos. Tudo isso, na visão da MPAA, constituía um ecossistema que gerava altos lucros para Dotcom e seus associados. Os ganhos eram na casa de US$ 150 milhões em inscrições pagas e mais US$ 25 milhões em vendas de espaços publicitários.

Os valores que os estúdios de Hollywood estão solicitando para reparar dos danos causados não foram revelados, mas de acordo com a organização das empresas mais de US$ 750 milhões teriam sido perdidos pelas operações do site. Além disso, a MPAA cita alguns títulos que estiveram entre os mais baixados durante os anos de existência do serviço: Avatar, Forrest Gump – O Contador de Histórias e Transformers.

Pelo Twitter, seu meio costumeiro de divulgar informações oficiais, Kim Dotcom afirmou que os estúdios de Hollywood provavelmente foram obrigados pelas autoridades americanas a darem continuidade ao processo. O caso foi taxado como um enredo de ficção pelo excêntrico empresário, que lidera da Nova Zelândia um novo serviço de armazenamento na nuvem, o Mega, e enfrenta um processo de extradição que pretende levá-lo de volta aos Estados Unidos para lidar com os processos relacionados ao Megaupload.

Foi justamente este segundo caso que foi citado pelo advogado de Dotcom, Ira Rothken. Em entrevista à agência Reuters, ele afirmou que a ação judicial trata-se de uma forma de alcançar Dotcom mesmo com o iminente fracasso de seu processo de extradição, cuja audiência acontecerá em julho.

O advogado também cita uma falha em toda a situação. Kim Dotcom, por conta de seus problemas judiciais, teve o acesso aos servidores de backup do Megaupload negados e não poderia acessar os arquivos contidos lá para se defender. Agora, porém, o processo atinge outros membros da corporação, que não estão diante de tais restrições e, sendo assim, podem se defender melhor contra as acusações da MPAA.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.