Em alta, comércio eletrônico nacional movimenta mais de R$ 1 bi no 1º semestre

Em alta, comércio eletrônico nacional movimenta mais de R$ 1 bi no 1º semestre

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 26 de Julho de 2021 às 22h30
Snowing/Freepik

Já há alguns anos, o e-commerce cresce de forma progressiva no país. Com a pandemia de COVID-19, no entanto, as vendas online ganharam ainda mais adeptos. No primeiro semestre de 2021, pequenas e médias empresas aumentaram em 140% seu faturamento com vendas online em comparação com o mesmo período de 2020. 

Esses empreendedores movimentaram mais de R$ 1 bilhão, contra os R$ 428 milhões de 2020. Os resultados são do banco de dados da plataforma de e-commerce Nuvemshop, que reúne mais de 85 mil lojas virtuais — a maioria delas comandada por pequenos e médios empreendedores (PMEs).

O crescimento no volume de produtos vendidos atingiu 121%: saltou de 9,3 milhões de itens no primeiro semestre de 2020 para mais de 20 milhões em 2021. “Além daqueles que já tinham o hábito de adquirir produtos online, mais de 3 milhões de brasileiros compraram pela internet pela primeira vez neste primeiro semestre”, aponta Alejandro Vázquez, CCO e cofundador da Nuvemshop.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Para ele, isso comprova que houve de fato uma mudança nos hábitos de consumo. “Para o próximo semestre, acreditamos que os números continuarão crescendo, principalmente pelo fato de que teremos datas comerciais importantes para o e-commerce, como a Black Friday e o Natal.”

Imagem: Reprodução/Elements/ckstockphoto

São Paulo em primeiro

São Paulo é o Estado que mais fatura com as vendas online. No primeiro semestre de 2021, pequenos e médios empreendedores da região movimentaram mais de R$ 347,4 milhões. Além do maior faturamento, o Estado tem, ainda, o maior volume de compra no ambiente virtual. “De acordo com nosso banco de dados, 28% das vendas online saem de São Paulo e são entregues para clientes do mesmo Estado”, detalha.

Minas Gerais vem em segundo lugar, com faturamento de R$ 106 milhões, e Rio de Janeiro fica em terceiro com R$ 87,7 milhões. Em ambos os Estados, as compras pela internet também têm volumes expressivos.

Os segmentos com maior faturamento no período foram Moda (R$ 342,8 milhões), Saúde e Beleza (R$ 85,8 milhões), Acessórios (R$ 72,3 milhões), Casa e Jardim (R$ 42,2 milhões) e Eletrônicos (R$ 27,7 milhões). Outros setores tiveram aumentos significativos nas vendas online: Antiguidades (+782%), Joias (+174%), Brinquedos (+127%) e Artes e Artesanato (+126%). 

Movimento deve continuar

Imagem: Reprodução/Pexels

No período analisado, 73% das vendas online foram feitas por celular. O tíquete médio subiu, em relação a 2020: foram R$ 218 agora, contra R$ 213 do ano anterior. 

Para Vázquez, a previsão é que o comércio digital continue em expansão no Brasil: ele diz que, entre os próximos 15 e 20 anos, 80% das vendas devem passar de alguma forma por plataformas digitais. “Nós temos o papel de reduzir as barreiras do empreendedorismo para que as PMEs tenham acesso à tecnologia de ponta e à economia de escala. Até agora, elas estavam disponíveis apenas para os gigantes do varejo”, afirma.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.