Itaú distribui fundo de criptomoedas com investimentos a partir de R$ 1

Itaú distribui fundo de criptomoedas com investimentos a partir de R$ 1

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 12 de Abril de 2022 às 19h20
Bermix Studio/Unsplash

O banco Itaú distribuirá seu primeiro produto de criptomoedas a partir desta segunda-feira (11). É o fundo Hashdex Crypto Selection FIC FIM, que na verdade é da gestora carioca Hashdex. O banco terá exclusividade na oferta do fundo por três meses. Com aplicação mínima de R$ 1, é aberto a todos os investidores.

Em nota, a Hashdex explicou ao Infomoney que o fundo deverá “oferecer exposição dinâmica às teses de investimento representadas nos produtos da gestora”. A ideia é que ele tenha retornos acima do índice NCI (Nasdaq Crypto Index), acessível no Brasil por meio do HASH11, fundo negociado na Bolsa brasileira B3.

Segundo Claudio Sanches, diretor de produtos de investimento e previdência do Itaú Unibanco, o banco já oferecia produtos que acessam a área de criptoativos e blockchain, e o fundo da Hashdex deverá ampliar o portfólio nessa seara. “Aos clientes que desejam essa alocação, queremos propiciar um produto que consideramos ter uma configuração mais segura em relação a alternativas mais populares, apesar da altíssima volatilidade do ativo final”, disse ao Infomoney.

Fundo da Hahdex/Itaú poderá analisar grandes ciclos de investimentos e reconhecer dinâmicas setoriais dos criptoativos (Imagem: Pexels)

Já Marcelo Sampaio, CEO da Hashdex, disse que o fundo poderá analisar grandes ciclos de investimentos e reconhecer dinâmicas setoriais. Assim, identificará vantagens entre diferentes ativos e teses, além de eventos específicos que influenciarão os preços dos produtos.

A princípio, o novo fundo será composto por uma união dos fundos HASH11 (35%), formado pela cesta de criptoativos do NCI; BITH11 (20%), com Bitcoin; WEB311 (18%), que aposta na infraestrutura da internet do futuro com os contratos inteligentes; DEFI11 (16%), de finanças descentralizadas; e ETHE11 (11%), com recursos em Ethereum.

A taxa de administração será de 2% ao ano, e a taxa de performance será de 20% do que exceder o índice NCI em reais. O prazo de resgate é de D+21 para cotização e D+1 para liquidação. O termo D+ é usado por bancos e corretoras; significa o dia no qual foi feita a solicitação de resgate mais o número de dias úteis nos quais o pedido poderá ser atendido.

Fonte: Infomoney

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.