Inteligência artificial pode prejudicar mais as mulheres no mercado de trabalho

Por Redação | 29 de Janeiro de 2018 às 10h06

De acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial, as mulheres correm um risco maior de perderem seus empregos com o avanço da automação e das inteligências artificiais. Os dados mostram que, de 1,4 milhão de empregos nos Estados Unidos que serão impactados pela tecnologia, 57% são executados por mulheres.

Entre as razões que justificam esse cenário está o fato de que muitas funções são realizadas mais por um gênero em detrimento do outro — o estudo cita como exemplo profissões como assistentes administrativas e secretárias. O Fórum prevê que cerca de 164 mil empregos correm risco de serem desocupados por humanos, com o aprimoramento de softwares de IA para ocupar essas funções.

O cenário é especialmente preocupante ao considerar que mulheres têm, em geral, salários menores do que homens no mercado de trabalho, e muitas delas, que atuam em áreas predominantemente masculinas, precisam constantemente provar suas habilidades.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Ainda de acordo com o estudo, mesmo que as mulheres adquiram mais habilidades para se adequar a esse futuro próximo, elas ainda terão menos opções de trabalhos em áreas como a tecnologia, onde os profissionais do gênero masculino ocupam a maior parte dos cargos. Para o Fórum, "terão sucesso na economia do futuro as pessoas que podem complementar o trabalho feito por tecnologias mecânicas ou algorítmicas e trabalhar com as máquinas".

Contudo, mesmo com essa previsão preocupante, Saadia Zahidi, chefe de educação, gênero e iniciativa do sistema de trabalho no Fórum Econômico Mundial, acredita que o futuro pode acabar acontecendo de um jeito diferente com a chegada das novas gerações ao mercado de trabalho. Ela acredita que as conversas públicas sobre assédio sexual e equiparação de gêneros na sociedade podem reverter esse cenário. "Nós temos o poder em nossas mãos para mudar de verdade. A questão é: nós temos a coragem para isso?", questiona.

Fonte: The Guardian

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.