Coronavírus: como manter a saúde mental em meio ao isolamento social

Por Nathan Vieira | 20 de Março de 2020 às 17h00

Sim, a pandemia da COVID-19 está sendo responsável pelo isolamento da população, que está deveras preocupada com o cenário atual e os impactos disso no futuro. No entanto, em meio a essa quebra de rotina, muitos estão trabalhando em esquema de home office, sem poder sair de casa para espairecer, e um ponto muito importante também merece destaque: a saúde mental.

Com o advento do novo coronavírus, muitas atividades tiveram de ser cessadas, especialmente as que envolvem relacionamento humano, que é o caso da psicoterapia. Neste sentido, a tecnologia vira uma excelente ferramenta de auxílio, pela possibilidade dos atendimentos poderem ser feitos online.

É fundamental manter a saúde emocional em ordem, até para que tenhamos consciência e sensibilidade para lidar com a situação de maneira serena. Tendo isso em mente, a equipe do Canaltech conversou com os psicólogos Nataly Martinelli e Rafael Rodrigues (sócio da Solução Ativa) para entender o impacto do isolamento social na saúde mental das pessoas.

Isolamento é sofrimento?

Para Rafael, o ser humano é um ser social por natureza. "O isolamento social em si não deve ser visto como a causa de um sofrimento emocional, mas como um deflagrador de um sentimento que estava latente, ou seja, estava obscurecido pela sensação irrefletida de não solidão. Nesse caso, o acompanhamento psicológico é fundamental para que a pessoa compreenda si quais mecanismos esse isolamento social despertou nela em termos emocionais e para lidar com este momento de maneira mais fortalecida", aponta.

Nataly, por sua vez, traz à tona que o principal apoio psicológico é estar em contato com profissionais da saúde mental, seja dando continuidade a um tratamento em andamento, iniciando um novo ou até mesmo absorvendo conteúdos via sites, redes sociais e livros. "Além disso, é fundamental ter um canal aberto de comunicação com as pessoas que moram com você para que as relações afetivas e emocionais sejam mantidas", esclarece a psicóloga.

Rafael ressalta que, para manter a harmonia do nosso sistema psicológico, é sempre importante que façamos coisas diferentes daquelas que fazemos rotineiramente. "A distração tem esta função: ajudar a trazer harmonia para nosso universo psicológico. Já sabemos que todo comportamento unilateral, sem abertura ao diverso, ao diferente, pode ser danoso para o sistema psíquico, podendo levar até a doenças emocionais".

Muitos psicólogos recomendam atividade física e hobbies para a liberação de endorfina e serotonina. Mas, para muita gente, essas práticas requerem contato ou ambientes externos. Questionada sobre como fazer uma adaptação saudável para dentro de casa, Nataly afirma: "É o momento de sermos flexíveis e aprendermos um pouco mais sobre nós mesmos, também! Com certeza existem atividades que não sabemos ainda que gostamos e essa é a hora de testar. Dançar, pular corda, alongar: precisamos falar SIM para tudo e desconstruir o antigo 'não gosto disso'. O importante é movimentarmos nosso corpo e mente".

Em relação a isso, Rafael observa que nem todas as casas comportam necessariamente um espaço para atividades físicas, reconhecidamente saudáveis para nosso corpo e nossa saúde emocional. "Nesse caso, minha recomendação seria para fazer um trade-off (troca) e investir tempo em outras coisas que não eram feitas usualmente", diz o psicólogo. Ele aproveita para exemplificar: "leitura, cursos online, dedicar mais tempo de qualidade aos filhos, atividades manuais, visitar museus online, atualizar a lista de filmes. Essas ações não são iguais a atividades físicas, mas exigirão o uso de aspectos da nossa mente que não necessariamente são usados normalmente, e isso por si só, já é um exercício".

Quanto ao home office, Rafael também relembra que cada “home” é diferente. "Quem tem filhos pequenos, que também estão em casa, terá demandas que exigirão o cuidado com as crianças ao mesmo tempo que faz suas tarefas profissionais. Já quem mora sozinho ou somente com adultos, talvez tenha mais controle sobre as demandas de trabalho e do dia a dia da casa. Num contexto ou no outro, a melhor saída é tentar manter ao máximo da rotina praticada anteriormente, no que tange horário para acordar, horas dedicadas ao trabalho para que o foco não se perca com outras coisas que ficam mais acessíveis, mantendo a disciplina já praticada, o que mudará mais é o ambiente e menos as atividades em si", opina.

Evite o pessimismo e abrace a rotina

Segundo Edinei Santos, sócio da Psicologia Viva, plataforma de atendimento psicológico online, em momentos difíceis, em que a solução está fora do nosso controle, é normal que o pessimismo e o medo tomem conta dos nossos pensamentos. Por isso, ele trouxe à tona algumas dicas para que as pessoas consigam manter o equilíbrio mesmo em um cenário adverso.

Primeiramente, tomar cuidado com excesso de informações, ou seja, não ficar conectado o tempo todo com notícias negativas. Filtrar a quantidade e, principalmente, a fonte de informações. Edinei também recomenda cuidar do corpo: "Pratique exercícios, se alimente de forma saudável e preserve o seu tempo de descanso. Há vários aplicativos onde é possível fazer aulas de funcional, práticas de yoga e sessões de meditação sem precisar sair de casa".

Além disso, mesmo em casa, vale estabelecer horários para trabalho, lazer e autocuidado. Conectar-se com as pessoas, aproveitando a facilidade da tecnologia para conversar com amigos e familiares através das redes sociais também é um jeito de aproveitar bem esse tempo de reclusão. A última de Edinei é a seguinte: "Faça coisas que gosta. Ouvir músicas, ler um livro, assistir um filme... Aproveite o tempo disponível".

Tendo isso em mente, trouxemos algumas ideias para aproveitar esse tempo de quarentena, com atividades e soluções que podem te ajudar:

Terapia Online

O Conselho Federal de Psicologia chegou a incentivar a realização de atendimentos online, suspendendo temporariamente a obrigatoriedade da confirmação do cadastro e-Psi para iniciar o trabalho remoto. Com isso, facilitou que profissionais da psicologia atendessem por chamada de vídeo, principalmente com o intermédio de plataformas.

Uma delas, por exemplo, além da já citada Psicologia Viva, é a Vittude, que conecta psicólogos a pacientes, auxiliando também empresas a cuidarem da saúde mental e do bem-estar dos colaboradores. Nos últimos dias, muitos usuários da plataforma optaram por alterar o atendimento presencial para o online. Além disso, houve um crescimento constante (cerca de 50% comparado a fevereiro) dos agendamentos de consultas online, especialmente de brasileiros que estão morando no exterior.

Segundo a Telavita, plataforma de psicoterapia online, houve um crescimento de 35% em sua base de usuários. Além disso, o número de empresas buscando fechar contratos e oferecer terapia aos seus colaboradores subiu mais de 200%. Tendo isso em mente, as startups que oferecem esse tipo de serviço estão sentindo um aumento considerável no número de usuários e empresas interessadas em consultas online com psicólogos.

Aprenda novos idiomas

Que tal aproveitar esse tempo de isolamento para aprender algo novo? A Deezer, plataforma global de streaming de áudio, oferece aos usuários um canal dedicado especialmente a podcasts de ensino de idiomas. Ao alcance de um clique e gratuitamente, o Canal Aprenda um Idioma traz diversas opções de podcasts dedicados ao ensino de mais uma dezena de idiomas: francês, espanhol, alemão, italiano, mandarim, japonês, coreano, russo, holandês, norueguês, árabe (sírio), hebraico e inglês.

Alguns desses idiomas têm podcasts em diversos níveis de aprendizagem. Uma das facilidades em investir no aprendizado de idiomas via podcast é a popularização do formato e o aumento no número de conteúdo. De acordo com pesquisa encomendada pela plataforma global de streaming, o consumo de podcasts no Brasil como um todo, não apenas de educação e nem só na Deezer, subiu 67% no Brasil.

Assista à Netflix com os amigos

Um jeito de encontrar a diversão é fazer uma sessão de filmes ou séries. Mas como fazer isso sem que se possa ir ao cinema, propriamente dito? Acontece que o Google Chrome conta com uma extensão chamada Netflix Party, que funciona da seguinte forma: sincroniza o conteúdo exibido em seu computador com dois ou mais outros computadores.

Para conseguir fazer a sessão em conjunto, todos os computadores que vão assistir à programação juntos devem baixar a extensão Netflix Party e usar o Google Chrome como navegador. Abra o link e clique em "+Usar no Chrome". em seguida, na janela que vai se abrir, clique em " Adicionar extensão". Depois de instalado, o Chrome irá exibir um ícone na parte extrema direita do cabeçalho com as iniciais "NP". Agora, escolha o filme que você quer ver com seus amigos. Quando o filme começar, clique sobre o ícone "NP" da extensão para iniciar o compartilhamento. Se escolher que apenas você vai poder controlar o filme, marque a caixa "Only I have Control", e em seguida, clique em "Start the Party".

Em seguida, a extensão criará um link. Clique sobre "Copy URL" para copiar o endereço e envie para as pessoas que irão assistir com você. Seus amigos deverão estar com suas contas Netflix logadas. Sendo assim, basta que eles copiem o link que você enviou e colem na barra do navegador para acessá-lo. Quando a página carregar, basta clicar no ícone "NP" novamente para sincronizar a reprodução do vídeo. Além disso, se quiserem, você e os seus amigos podem também conversar por chat.

Autocuidado e meditação

Alguns aplicativos podem te ensinar a praticar meditação e yoga, ou até conter a ansiedade. Relaxar é sempre bom, afinal, e que momento melhor para conhecer a si mesmo e buscar esse relaxamento do que esse tempo de isolamento? O aplicativo Headspace, por exemplo, pode ser utilizado gratuitamente, tanto em dispositivos iOS quanto em dispositivos Android. O app te ensina como respirar e meditar. Há exercícios para controlar a respiração, sono e euforia, buscando calma e foco.

Outro aplicativo que pode ajudar a relaxar é o Cíngulo: Terapia Guiada, que também está disponível para download na App Store e na Play Store. Nele, você encontra sessões diárias de autoconhecimento. O app também traz testes periódicos para você acompanhar seu estado emocional e ver a sua evolução, bem como sessões guiadas de meditação, um diário emocional para você anotar seus bons e maus momentos e refletir sobre o que aprendeu no dia.

Malhando em casa

Outra forma de se sentir bem em meio ao isolamento é aproveitar para fazer exercícios dentro de casa mesmo. Para ajudar nisso, há vários aplicativos que podem servir de guias. Por exemplo: com mais de 10 milhões de downloads, o Desafio 30 Dias Fitness permite que o usuário faça exercícios em casa aumentando a intensidade dos exercícios ao longo do tempo. Para facilitar o acesso aos desafios, o app conta com seção de treino de corpo inteiro, abdominal, glúteos, braços e pernas. Cada treino é dividido em planos: fácil, médio e difícil, contemplando iniciantes e experientes. Disponível para Android e iOS.

Outro exemplo é o BTFIT, que oferece aulas de ginástica diárias gratuitamente, que podem ser feitas em casa mesmo. Além disso, o app fitness trabalha com acompanhamento online com personal trainer, permitindo que os usuários sigam treinos personalizados. Para quem busca acompanhamento específico, a plataforma dispõe de seu serviço Premium, que conta com acesso ilimitado às aulas, além de programas de desempenho e participação de desafios. Também pode se baixado para Android ou iOS.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.