Apple e Malala Fund se unem para avanço da educação feminina no Brasil

Por Wagner Wakka | 13 de Julho de 2018 às 18h15
Tudo sobre

Apple

Uma ação no Brasil pretende levar mais oportunidade para mulheres. A Apple Developers Academies brasileira fechou uma parceria com a Malala Fund para investir em ações educacionais em prol do avanço de oportunidades para mulheres no mercado de trabalho.

A ideia, segundo comunicado da Apple, é de que o Malala Fund possa usar da capacidade de alunas e ex-aluna do programa de desenvolvedores para criar aplicativos destinados a resolver problemas levantados pela instituição.

A ativista paquistanesa, Malala Yousafzai, se encontrou com mulheres relacionadas ao projeto nesta sexta-feira (13) no Rio de Janeiro e firmou o acordo de parceria. A proposta é a construção de novas ferramentas para ajudar no empoderamento de mulheres e professoras, bem como ajudar a criar políticas para desenvolvimento, direitos femininos e educação.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

“O meu desejo é que cada garota, do Rio a Riyadh [capital da Arábia Saudita], possa ser livre para escolher seu próprio futuro. Se ela quiser ser uma desenvolvedora, uma piloto, uma dançarina ou uma política, a educação é o melhor caminho para um futuro mais brilhante. Entrando com a rede de desenvolvedores estudantes da Apple, a Malala Fund terá acesso a novas ferramentas de apoio para a nossa missão de educação segura, livre e igualitária”, disse Yousafzai.

O programa da Apple prepara desenvolvedores no Brasil desde 2013. Ao todo, são 3 mil estudantes que participam do Developer Academy no país, nos 10 escritórios espalhados por Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo.

Já o Malala Fund é uma organização encabeçada pela ativista paquistanesa voltada a levar educação para mulheres em todo mundo. Ao todo, o fundo busca fazer com que 130 milhões de meninas que não têm acesso a escola possam ter uma educação de forma segura e livre, principalmente em países nos quais as mulheres são excluídas das escolas.

Fonte: MacRumors

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.