Publicidade

Diferenças entre OMR e MVNO

Por| 08 de Novembro de 2023 às 11h42

Link copiado!

Pexels/Umang Patel
Pexels/Umang Patel

O cenário das telecomunicações sem fio mudou nas últimas três décadas. Quando as primeiras redes celulares começaram a oferecer serviço no Japão, no final da década de 1970, e nos Estados Unidos, no início da década de 1980, a fórmula era simples: a empresa que tinha a infraestrutura era aquela que oferecia o serviço. Esta fórmula quase sagrada foi alterada na década de 1990, quando os países escandinavos viram o início de um modelo de negócio baseado na compra de capacidade para que terceiros pudessem oferecer serviços mesmo que não tivessem rede própria.

Eram outros tempos, a história era diferente, não havia medalhas, só fome de glória. Depois dos fracassos iniciais que este modelo de compra de capacidade sofreu, finalmente apareceu no Reino Unido uma empresa que poderia torná-lo realidade: a Virgin Mobile. A partir de então, as chamadas operadoras móveis virtuais (MVNOs) começaram a proliferar em todo o mundo, diferenciando-se das até então tradicionais operadoras de redes móveis (OMR).

Com o passar dos anos, o modelo MVNO evoluiu; surgiram diferentes tipos de entidades que adquiriram capacidade para oferecer serviço celular. Parte da mudança ocorreu como resultado da transformação do ambiente do mercado de telecomunicações, com níveis mais elevados de adoção de serviços móveis e uma migração para redes totalmente IP que forçou as MVNOs a migrar do modelo inicial de competição por preço. Assim, foram observados alguns lançamentos mais especializados em busca de um nicho na Internet das Coisas, outros surgiram como plano de fidelização de redes varejistas e outros decidiram construir quase toda sua infraestrutura para serem chamados de MVNOs completos onde só faltava o acesso à rádio.

Continua após a publicidade

No entanto, alguns elementos nunca mudaram. As MVNOs continuaram a ser consideradas operadoras de nicho interessadas ​​em obter um perfil específico de consumo como clientes. Esse nível de especialização é o que leva, teoricamente, a ter um melhor controle sobre os gastos com publicidade e logística, pois entende-se que se conhece muito bem as necessidades do cliente e no serviço de celular você oferece alternativas que as operadoras tradicionais não possuem.

A natureza de especialização das MVNOs diferencia seu comportamento das operadoras celulares tradicionais. As OMRs adquirem espectro e instalam infraestrutura para oferecer serviço à maioria da população de um país, o que as obriga a buscar clientes em todas as localidades onde sua rede oferece serviço. O seu incentivo é recuperar o investimento conquistando o maior número possível de clientes.

Em contraste com esta realidade, as MVNOs só estão interessadas ​​em vender os seus serviços e promover-se nos locais onde reside a maior parte do seu mercado-alvo. Independentemente do fato de um dos seus utilizadores decidir viajar pelo país e estar sempre ligado ao OMR que engloba o seu operador virtual, certamente será impossível encontrar publicidade ou pontos de carregamento para o seu operador. Qual é o resultado? Algo bastante simples, uma fragmentação nos níveis de concorrência do mercado.

Alguns exemplos servem para explicar melhor o que foi dito acima: O México, além dos três operadores nacionais, possui mais de 140 MVNOs. A Colômbia, por sua vez, possui cerca de 13 MVNOs e quatro OMRs que oferecem serviço em todo o país. A presença de MVNOs não implica que no México 143 operadoras estejam competindo nacionalmente ou na Colômbia 17. As operadoras nacionais só competirão com MVNOs nas áreas em que investem para conquistar clientes.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Geralmente, essas localidades estão localizadas em áreas urbanas que abrigam maior poder aquisitivo e densidade populacional. É precisamente nas zonas rurais e remotas que os governos querem que a concorrência aumente. Na América Latina , há pouco esforço que leve conectividade a essas áreas através da OMR. Por exemplo, no México, a existência da rede compartilhada incentiva o surgimento de OMRs com alcance limitado em alguns locais que não eram considerados lucrativos pelas OMR tradicionais. Outro caso é observado na Argentina onde a Câmara de Cooperativas daquele país, CATEL, quer promover o crescimento celular através do seu MVNO em áreas historicamente ignoradas pelas grandes operadoras de telecomunicações do país.

A realidade é que nenhum cliente na Colômbia tem a possibilidade de comparar as ofertas de 17 operadoras de celular, assim como no México ninguém tem 143 empresas oferecendo pacotes diferentes para que possam escolher o que preferirem. Idealmente, isto seria verdade, mas é um desejo que vai contra o modelo de negócio dos MVNOs, de serem operadores de nicho para resolver uma necessidade que os OMR tradicionais não têm conseguido remediar.

José F. Otero é professor adjunto da Universidade de Nova York. Esta coluna é escrita em caráter pessoal.

Twitter: @Jose_F_Otero