Sony quer patentear estilo de animação usado em Homem Aranha: No Aranhaverso

Por Rafael Rodrigues da Silva | 13 de Dezembro de 2018 às 18h32
Tudo sobre

Sony

Saiba tudo sobre Sony

Ver mais

Antes mesmo de estrear, Homem-Aranha: No Aranhaverso já pode ser considerado um sucesso. A animação (que estreia nos Estados Unidos no dia 14 de dezembro, e chega aqui no Brasil apenas no dia 20 de dezembro) tem sido chamada por críticos de todo o mundo de “inovadora” e “surpreendente”, já ganhou o prêmio de Melhor Animação de 2018 pela Associação dos Críticos de Nova York e é uma das indicadas ao Globo de Ouro de 2019 na categoria de Melhor Animação.

Mas, antes de esse sucesso seja traduzido nas bilheterias, a Sony já está pronta para uma “batalha” nos escritórios de patente. Segundo informações obtidas pela revista Deadline, a empresa já abriu um processo para patentear o estilo de animação usado no longa, que inclui não apenas o tipo de traços e modelos utilizados mas também toda a tecnologia necessária para a criação deles.

De acordo com o documento, a Sony alega que as inovações do filme vão além de um estilo visual totalmente original, mas que o fato do produto final ser completamente diferente de tudo aquilo que já foi feito nos cinemas o classifica como uma nova invenção, e que basicamente muda toda a concepção de animações para o cinema e o que é preciso para produzi-las.

E não é surpresa nenhuma que a Sony tenha essa opinião sobre o seu novo filme. Para finalizar o longa, foram necessários anos de trabalho de uma equipe que contou com 140 animadores 3D, a maior já utilizada em qualquer filme produzido pela Sony Pictures Animation.

Isso acontece porque a empresa escolheu criar uma nova identidade visual para o estilo de animação do filme, que consiste em cada cada frame do longa ser criado a partir de uma imagem gerada por computador sobreposta a uma ilustração desenhada à mão, o que garante o visual único visto nos trailers do longa, e o torna completamente diferente de todos as outras animações em CG lançadas até hoje.

Mas, assim como o desenvolvimento de um filme, a revisão de todo o processo e a decisão do Departamento de Patentes dos Estados Unidos acatar ou não ao pedido da Sony podem demorar até cinco anos para sair, e é bem possível que a sequência do longa saia antes da decisão sobre a patente.

Fonte: Geek.com

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.