Nova teoria indica como o Quarteto Fantástico pode ingressar ao MCU

Por Rafael Arbulu | 08 de Maio de 2020 às 09h39
(Imagem: Divulgação/Marvel Comics)

Uma das maiores questões levantadas pelos fãs após a Disney, dona da Marvel, comprar a divisão de entretenimento da FOX e reassegurar os direitos de produção de filmes do Quarteto Fantástico e X-Men é “onde esse povo estava” durante os eventos das primeiras fases do universo cinematográfico da Casa das Ideias, finalizado em Vingadores: Ultimato?

Ao menos para o Quarteto Fantástico, uma nova teoria parece responder essa pergunta — ou, no mínimo, estabelecer cenários que a Disney possa usar para isso. Segundo argumenta o site ScreenRant, a Marvel já introduziu o pano de fundo que justificaria o grupo liderado por Reed Richards estar ausente de todos os eventos vistos até aqui. E mais: usa um dos filmes do Homem de Ferro para fundamentar sua linha de pensamento.

(Imagem: Divulgação/Marvel Comics)

Em Homem de Ferro 2, durante uma cena específica envolvendo Tony Stark, vemos o super-herói recuperar três arquivos confidenciais relacionados a trabalhos do seu pai, Howard: dois deles já foram bem detalhados nos filmes atuais — o “Project P.E.G.A.S.U.S” revelou-se como uma tentativa de dominar o poder do Tesseract para introduzir a viagem intergalática à velocidade da luz vista em Capitã Marvel, enquanto o “Project G.O.L.I.A.T.H” referia-se às pesquisas e aplicações bélicas das partículas Pym, que mais tarde dariam origem ao Homem-Formiga.

O terceiro arquivo, intitulado “Project E.X.O.D.U.S”, porém, nunca foi abordado em nenhum filme. É nele que vamos nos concentrar aqui: segundo estabeleceram os filmes do Homem de Ferro, Howard Stark, após a Segunda Guerra Mundial, concentraria seus esforços em pesquisas financiadas pela SHIELD para encontrar fontes alternativas e aplicações diferentes de energia. Considerando que a palavra “Exodus” (traduzindo: “êxodo”) é comumente aplicada em um contexto de migração, exploração ou “escape” de algo, o ScreenRant argumenta que ele é o elemento relacionado ao Quarteto Fantástico. As origens do grupo de heróis nos quadrinhos menciona como eles foram expostos a raios cósmicos durante uma viagem espacial (uma correção contemporânea aprofundou-se no tema, dizendo que eles estavam experimentando com tecnologia de viagem acima da velocidade da luz).

Visto que o Quarteto Fantástico é bem centralizado no tema de “exploração”, o “êxodo” do projeto pode ser implementado na narrativa do MCU como um experimento envolvendo Reed Richards, o Sr. Fantástico, como seu líder. E caso a Marvel siga com essa ideia, inspirando-se nos quadrinhos do grupo, três cenários podem ser considerados:

  1. O mais provável é justamente a atual origem do Quarteto Fantástico: o E.X.O.D.U.S seria um programa de pesquisa em voos no espaço, cujos testes resultaram na referida exposição cósmica e, finalmente, conferindo a Reed Richards, Sue Storm, Johnny Storm e Ben Grimm os poderes que os transformariam no Sr. Fantástico, Mulher-Invisível, Tocha Humana e Coisa.
  2. O E.X.O.D.U.S é um projeto que envolve a introdução da Zona Negativa (nos quadrinhos, foi Reed Richards quem a descobriu), um universo paralelo e possivelmente tão antigo quanto o nosso, mas com algumas diferenças: ele é feito inteiramente de anti-matéria e está em fase de encolhimento, enquanto o nosso ainda está se expandindo (o conceito de Big Crunch inverso ao Big Bang, na astronomia). Esse é cenário menos provável pois o tema já foi abordado pelo diretor Josh Trank no reboot de Quarteto Fantástico pela FOX — e o filme foi amplamente criticado. A Marvel não gosta de repetir conceitos de outros diretores em seus filmes.
  3. O Nu-World, um plano criado por um rival de Richards chamado Ted Castle, implica que a Terra teria pouco mais de 30 anos de vida, então ele e outros ricaços decidiram criar um planeta que espelhasse o nosso mundo, mas com eles em sua liderança e uma inteligência artificial como sistema de defesa. Nos quadrinhos, essa IA rebelou-se contra seus líderes. Nos filmes, o E.X.O.D.U.S seria ou esse projeto, ou a resposta da SHIELD à IA rebelde.

Desnecessário dizer que qualquer um desses cenários, hoje, não passa de pura conjectura, mas todos eles explicariam a ausência do Quarteto Fantástico em eventos de magnitude global, como por exemplo a luta contra Thanos em Guerra Infinita e Ultimato. Se Reed & cia. estivessem em um voo espacial mais rápido que a velocidade da luz (cenário 1), os quatro passariam pelo fenômeno que a física teórica chama de “dilatação temporal”, ou seja, horas, meses ou anos que passaram para nós, seriam para eles meros minutos. A Zona Negativa também tem uma progressão temporal diferente da nossa, passando em um ritmo bem mais rápido que o nosso universo (cenário 2). Finalmente, se o Quarteto Fantástico estivesse em outro planeta, estariam ocupados demais para tomar parte na luta pela Terra (cenário 3). Este último, aliás, já até aconteceu: a Capitã Marvel estava alheia aos eventos de Guerra Infinita, lembra?

Evidentemente, a Marvel e a Disney ainda mantêm absoluto silêncio sobre como as suas reconquistas ainda serão introduzidas no MCU. Entretanto, teorias não param de saltar sobre o assunto agora que a fase principal, com os Vingadores, finalmente acabou. O Quarteto Fantástico é apenas uma das possibilidades, já que o universo mutante capitaneado pelos X-Men também veio no pacote — e teorias envolvendo Deadpool e o Doutor Estranho já saltaram pela internet em várias ocasiões.

Leia mais: Personagens de X-Men poderão aparecer em Doutor Estranho 2. Veja quais são

E você, como acha que o Quarteto Fantástico será colocado dentro do universo da Marvel nos cinemas? Conte-nos a sua opinião nos comentários abaixo.

Fonte: ScreenRant

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.