Crítica | Animação Superman – Red Son tropeça, mas é melhor que os filmes da DC

Por Claudio Yuge | 27 de Fevereiro de 2020 às 13h33
Tudo sobre

Warner Bros

Saiba tudo sobre Warner Bros

Ver mais

A Warner Home Video tem trazido já há vários anos as melhores adaptações de quadrinhos para outra mídia, neste caso, animações. O tratamento de cada história é de superprodução e a companhia não poupa esforços para trazer fidelidade e impacto aos desenhos, que, vejam só, na maioria têm alta classificação etária devido à violência e temas adultos. Superman — Red Son, que acaba de ser lançado, segue essa mesma linha.

A trama original estreou pela DC Comics em 2003, no selo Elseworlds, que imaginava os personagens da editora em versões de realidades paralelas. Escrita pelo falastrão Mark Millar e ilustrada por Dave Johnson, vemos um Superman diferente do que estamos acostumados. Em vez de cair em uma fazenda no Kansas, Kal-El vai parar nos campos da União Soviética.

Imagem: Reprodução/DC Comics

Isso causa grande mudança em toda a trajetória do herói e do mundo, pois, ao lado de Stalin e do regime comunista, vemos os Estados Unidos e a sociedade reagindo a um superser em uma perspectiva distinta e muito interessante. A trama, embora envolva bastante a história real e geopolítica, não toma exatamente partido para nenhum dos lados e mostra como consequências mais verossímeis aconteceriam se o mundo tivesse um Superman contra o capitalismo.

ATENÇÃO! Daqui em diante este texto contém spoilers.

Desenho imparcial

Um dos principais méritos dessa adaptação foi simplificar muitas das tramas políticas e ligações complexas entre as autoridades reais, como Joseph Stalin e John F. Kennedy, e se concentrar em como Lex Luthor e Lois Lane se alinharam à Casa Branca e a maneira como Superman cresceu em um regime socialista.

Aqui, Superman se torna um líder a serviço do Estado e mostra que seus poderes são como uma extensão do povo, a serviço de todos. Há uma clara intenção da Warner em não alimentar nenhuma discussão de extremos sobre posicionamento político — então, não espere ver algo como o comunismo ou o capitalismo pintados exatamente como “bom” ou “mau”.

Imagem: Reprodução/Warner Bros

Isso facilita a fluência da própria animação e os eventos, pois, afinal de contas, estamos falando de uma trajetória que aborda 40 anos de acontecimentos ligados às próprias histórias reais da humanidade. Nesse ponto, vemos que o diretor Sam Liu, responsável por quase todos os últimos lançamentos das animações recentes da DC, preferiu posicionar poucas peças no tabuleiro, o que deixou tudo mais compreensível em 1 hora e 25 minutos de vídeo.

A introdução de Batman, Mulher-Maravilha e Lanterna Verde são até bem dosadas e acontecem no momento certo, sem deixar cair o ritmo. O problema é que a caracterização desses heróis, inclusive do protagonista, além de algumas edições sem nexo, deixaram a desejar, como falo um pouco mais abaixo.

Parte técnica sempre acima da média

Nesse quesito, Sam Liu é sempre impecável. Os traços escolhidos para essa animação se parecem muito com os desenhos de Dave Johnson, assim como o logotipo e a identidade visual, que tem tudo a ver com a propaganda soviética. O filtro de cores também vai de encontro com o que vemos nas revistas, com maior contraste nas cenas escuras e tons quase pastel nas sequências mais claras.

Imagem: Reprodução/Warner Bros

O “figurino” e os cenários vão de encontro com os objetos, trajes, prédios e veículos da época — tudo, claro, reimaginado com o toque sci-fi que a própria história original já tem. O trabalho de dublagem é também excelente, com Jason Isaacs alternando bem os momentos inocentes e austeros desse Superman.

Vanessa Marshall oferece um toque de charme e força que a Mulher-Maravilha precisa e o Batman de Roger Craig Smith é raivoso e implacável. O Lex Luthor de Diedrich Bader soa muito menos vilanesco do que a contraparte de papel normalmente é, mas isso é compreensível dado aos rumos que a história toma até o final.

Caracterização dos personagens e final deixam a desejar

Infelizmente, dois dos principais pontos da história original foram deixados de lado — lembrando um pouco os deslizes de Liu em outra adaptação para a animação, A Piada Mortal. Em Superman – Red Son, o cenário lembra muito mais o dos games Injustice. Superman, que nos quadrinhos tem como seu grande princípio não matar, aqui se parece muito mais a figura autoritária dos jogos de luta.

Imagem: Reprodução/Warner Bros

Além disso, Batman também aparece como o maior vilão da história, muito mais como um terrorista maluco do que com o garoto que cresceu sofrendo e não quer permitir que o regime que o castigou faça novas vítimas — tudo bem que na revista ele também é cruel e o desenho é sobre o Superman, mas Bruce Wayne merecia mais estofo. A Mulher-Maravilha, embora mostre um desenvolvimento compreensível, também acaba por realizar algumas ações incoerentes nas sequências finais.

Aliás, o combate entre Superman e as tropas estadunidenses dos Lanternas Verdes fica um pouco sem sentido em sua conclusão — Hal Jordan, John Stewart e seus outros colegas simplesmente desaparecem sem muitas explicações.

Imagem: Reprodução/Warner Bros

Mas o que mais incomoda mesmo é o fato da grande crítica dos quadrinhos não estar presente. A trama original mostra tanto o capitalismo quanto o socialismo entrando em colapso e destaca como a humanidade pode se superar em seus piores momentos, ainda mais quando temos ao nosso lado um símbolo de esperança como o Superman.

Não espere por isso em Superman – Red Son. E mais: a união de Lex Luthor e Superman até pode agradar inicialmente, mas o que acontece depois parece ordem de algum executivo que pediu por um “final feliz” — tão doce que dá certa cárie.

Animações continuam sendo as melhores adaptações

A Warner Home Video e o setor de animação da DC já trouxeram verdadeiras pérolas, como Batman Animated, Justice League Animated e as adaptações de Liga da Justiça: A Fronteira Final, Lanterna Verde: Primeiro Voo, All-Star Superman (minha preferida), Mulher-Maravilha, Batman: Cavaleiro das Trevas e, mais recentemente, A Morte do Superman.

Mas também trouxe grandes decepções, a exemplo de Batman: A Piada Mortal, Liga da Justiça: Trono de Atlantis e Gotham City 1889: Um Conto de Batman. Superman — Red Son, estaria em um patamar mediano e a expectativa agora é que Batman: Silêncio e Superman: Reino dos Supermen volte a colocar essas adaptações nos trilhos.

Imagem: Reprodução/Warner Bros

De qualquer forma, todas essas produções são superiores a quaisquer das adaptações do Universo Estendido DC até agora. Se vale para algo mais que o entretenimento, Superman — Red Son poderia ser visto pelos executivos para anotar melhor o que dá certo e o que pode dar errado em uma conversão de um clássico para outra mídia.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.