Sapatos pontudos da era medieval quebravam os pés das pessoas, mostra estudo

Sapatos pontudos da era medieval quebravam os pés das pessoas, mostra estudo

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 22 de Junho de 2021 às 11h25
Samantha Lutz/Pixabay

O uso de sapatos que machucam não é um costume relativamente atual. Saltos altos já eram parte das vestimentas da humanidade há milhares de anos, e quanto mais antigos eram esses calçados, menos confortáveis eles eram. Em um estudo recente, realizado pelo departamento de arqueologia da Universidade de Cambridge, cientistas encontraram provas de que esses sapatos já causaram muitos problemas há alguns séculos.

Os sapatos em questão eram pontudos e longos, e eram usados por pessoas mais ricas, como se fossem peças de luxo da época. Os pesquisadores analisaram os esqueletos de 177 pessoas, encontrados em quatro cemitérios medievais na cidade de Cambridge, que fica na Inglaterra. Em um dos cemitérios eram enterrados frades e paroquianos ricos, no outro pessoas pobres, outro era dedicado à classe média e outro fazia parte de uma paróquia rural remota.

Imagem: Reprodução/Cambridge Archaeological Unit/St. John's College

Os esqueletos foram estudados minuciosamente para encontrar sinais de lesões que podem ter sido provocadas pela perda de equilíbrio devido ao uso dos calçados, além de serem a causa do aparecimento de joanetes, que consistem em um inchaço ósseo na articulação na base do dedão do pé. Então, os cientistas descobriram que 27% desses indivíduos, que viveram entre os séculos 14 e 15, sofriam de joanetes.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Entre os frades enterrados no cemitério para ricos, 45% deles tinham joanetes nos pés, justamente em uma época na qual o clero da Inglaterra se vestia com roupas mais sofisticadas. "A adoção de roupas da moda pelo clero era tão comum que gerou críticas na literatura contemporânea", conta Mitchell.

Imagem: Reprodução/Cambridge Archaeological Unit/St. John's College

Já nos esqueletos de pessoas mais pobres, apenas 10% sofriam com os joanetes, uma vez que os sapatos da época eram caros. No cemitério rural, o número é ainda menor: somente 3% passavam pelo problema nos pés. Nos esqueletos datados entre os séculos 11 e 13, antes dos sapatos pontudos virarem moda, apenas 6% apresentavam sinais de joanetes.

Além dos joanetes, alguns dos esqueletos apresentavam sinais de fraturas, que podem ter sido causadas pelo desequilíbrio com os sapatos. Segundo o estudo, cerca de 52% dos indivíduos com joanetes nos pés contavam com, pelo menos, uma fratura. Jenna Dittmar, principal autora do estudo, conta que a deformidade provocada pelo joanete causa o desequilíbrio e aumenta o risco de quedas em pessoas de mais idade.

Dedo fraturado e "colado torto" em esqueleto do pé (Imagem: Reprodução/Cambridge Archaeological Unit/St. John's College)

"Isso explicaria o número alto de ossos 'colados' quebrados que encontramos em esqueletos medievais com essa condição", explica a cientista. "Pensamos nos joanetes como um problema moderno, mas esse trabalho mostra que, na verdade, era uma das condições mais comuns em adultos da era medieval", completa.

O estudo completo está disponível na revista científica International Journal of Paleopathology.

Fonte: LiveScience

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.