Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Múmia de garoto coberto de ouro é encontrada em sarcófago de 4.300 anos

Por| Editado por Luciana Zaramela | 27 de Janeiro de 2023 às 14h37

Link copiado!

twenty20photos/Envato
twenty20photos/Envato

Em novo artigo publicado na revista Frontiers in Medicine na última terça-feira (24), pesquisadores descreveram a descoberta de 49 amuletos escondidos em uma múmia de um adolescente (cerca de 14 anos, conforme estima o grupo), apelidada de Golden Boy — justamente por esbanjar tanta riqueza. Além de todos os amuletos, o jovem tinha no rosto uma máscara dourada.

Os amuletos, compostos por formas e tamanhos diferentes, foram estrategicamente colocados sobre o corpo da múmia, ou até mesmo dentro dela, e incluem um ao lado do pênis, um escaravelho d e ouro colocado dentro da cavidade torácica e uma língua de ouro dentro da boca.

A múmia também usava um par de sandálias e uma guirlanda de samambaias cobria seu corpo. “Esta múmia é uma vitrine das crenças egípcias sobre a morte e a vida após a morte durante o período ptolomaico”, estimam os pesquisadores. A teoria, com base apenas nos bens do túmulo, é que o garoto era de alto status socioeconômico.

Continua após a publicidade

Segundo os autores do estudo, os antigos egípcios acreditavam no poder dos amuletos, usados ​​para proteção e para fornecer benefícios específicos. Por exemplo, a língua da múmia adolescente era coberta de ouro para permitir o dom da fala, e as sandálias para permitir que o falecido saísse da tumba na vida após a morte.

Já o amuleto do escaravelho colocado dentro da cavidade do torso trazia marcas gravadas, que os pesquisadores acreditam representar as inscrições e feitiços que os sacerdotes escreveram para proteger o menino durante sua jornada. O grupo ficou tão impressionado com esse último amuleto que criou uma réplica 3D.

Este ano mal começou e já tem sido importante para a arqueologia: no início de janeiro, um grupo de egiptólogos espanhóis descobriu 2 novas tumbas no sítio arqueológico da antiga cidade de Luxor, no Egito, contendo quase 60 múmias nunca antes vistas.

Fonte: Frontiers in Medicine via Live Science