Cientistas estão próximos de "ressuscitar" rato extinto há 120 anos

Cientistas estão próximos de "ressuscitar" rato extinto há 120 anos

Por Augusto Dala Costa | Editado por Luciana Zaramela | 10 de Março de 2022 às 16h43
Joseph Smith/Zoological Society of London

Trazer espécies extintas de volta à vida é um conceito difundido tanto na cultura pop — como no filme Jurassic Park, de 1999 — quanto nos laboratórios de paleogeneticistas mundo afora. Até o momento, apenas uma espécie foi realmente trazida de volta à vida pelos cientistas: um íbex-dos-Pireneus, clonado a partir do DNA da pele congelada do animal. Na fila para a “ressuscitação”, temos bichos como o mamute lanoso e o tigre da Tasmânia.

Mas a estrela da vez é um animal bem menor: o rato da Ilha Christmas, espécie de roedor extinta há 120 anos. O trabalho em questão, publicado por pesquisadores na Current Biology na última quarta-feira, 9 de março, faz uso das tecnologias mais atuais em termos de genética evolutiva. Tom Gilbert, geneticista evolutivo da Universidade de Copenhague, é o principal autor do estudo, feito com mais 11 colegas.

O rato marrom ou ratazana (rattus norvegicus) é o roedor moderno utilizado no estudo envolvendo o rato da Ilha Christmas (Imagem: Ranjith Jaya/Unsplash)
O rato marrom ou ratazana (Rattus norvegicus) é o roedor moderno utilizado no estudo envolvendo o rato da Ilha Christmas (Imagem: Ranjith Jaya/Unsplash)

Tecnologias de paleogenética

Na teoria, há três formas de trazer animais extintos de volta à vida:

  • Edição de genes;
  • Retro-reprodução de espécies relacionadas;
  • Clonagem.


O método escolhido para o ratinho da Ilha Christmas é o primeiro, edição de genes. Nele, o DNA sobrevivente da espécie extinta é comparado com o genoma de uma espécie relacionada mais moderna. A partir daí, são usadas técnicas como a CRISPR (Repetições Palindrômicas Curtas Agrupadas e Regularmente Interespaçadas), com o objetivo de editar o genoma moderno nos trechos onde ele se diferencia do DNA antigo. A partir das células modificadas, pode-se criar um embrião, que é implantado em um hospedeiro.

A equipe de geneticistas utilizou ratos marrons modernos como a espécie de referência da vez. Com eles, a reconstrução do genoma do rato da Ilha Christmas pode chegar a 95%. Os 5% restantes são uma falta maior do que parece: essa parte do genoma é referente às regiões de controle do cheiro e da imunidade.

À AFP, Gilbert afirma que o objetivo não é “des-extinguir” o animal, mas sim desenvolver a ideia e a técnica para tal, parte realmente interessante do estudo, segundo ele. A otimização na técnica de sequenciamento feita por sua equipe ajuda nos esforços para recuperar outros animais, como os mamutes lanosos, o que supostamente poderia ajudar no combate às mudanças climáticas.

Os estudos de Gilbert e equipe ajudam nos esforços de des-extinção de espécies com o mamute lanoso (Imagem: Maud Beauregard/Unsplash)
Os estudos de Gilbert e equipe ajudam nos esforços de des-extinção de espécies com o mamute lanoso (Imagem: Maud Beauregard/Unsplash)

Evolução vs edição genética

A espécie do rato marrom moderno divergiu da espécie do rato da Ilha Christmas há cerca de 2,6 milhões de anos, o que é considerado próximo na escala evolutiva — para o estudo, no entanto, é longe o suficiente para não tornar a reconstrução total do genoma possível. O elefante asiático, candidato a hospedeiro de um possível mamute ressuscitado, está numa distância evolutiva semelhante à dos ratinhos estudados.

Apesar dos avanços nas técnicas de edição genética, os animais trazidos à vida ainda seriam tipos híbridos, com deficiências críticas à sua sobrevivência. Isso esbarra em questões éticas sobre equilíbrio ambiental, já que estaríamos introduzindo uma espécie em um ambiente que já não mais a abriga, ou pior, caso o animal fosse colocado em um zoológico.

Gilbert afirma que os animais nunca voltarão a sua forma original — e ainda exprime sentimentos conflitantes em relação a projetos de extinção e “des-extinção” de animais. “Se você tivesse que escolher entre trazer algo de volta ou protegê-lo”, afirma ele, “eu colocaria meu dinheiro em proteção.

Estudos apontam que a extinção do rato da Ilha Christmas, documentada em 1900, se deu por conta da introdução de ratos pretos, que vieram a bordo dos navios europeus que atracaram na ilha. As Atas da Sociedade Zoológica de Londres o descreveram, em 1887, como um raio maior, com orelhas arredondadas e uma cauda longa de ponta amarela.

Fonte: Current Biology, AFP (Via France24)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.