China entrega amostras lunares da Chang'e 5 a 13 instituições de pesquisa

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 14 de Julho de 2021 às 15h46
CNSA/CLEP

No último dia 13 de julho, o Centro de Exploração Lunar da Administração Espacial Nacional da China (CNSA, na sigla em inglês) entregou 17 gramas de suas amostras lunares, coletadas no final do ano passado pela sonda Chang’e 5, a 13 instituição de pesquisa. Durante a cerimônia de anúncio, Liu Jizhong, diretor do centro, disse que a entrega do lote também marca o lançamento oficial da pesquisa científica de amostras lunares.

Até então, apenas algumas instituições chinesas haviam recebido parte dos 1,73 kg de amostras trazidas da Lua. Inicialmente, a CNSA recebeu 85 solicitações, dentre as quais 31 foram aprovadas. As 13 instituições de pesquisa científica precisarão dividir os 17,47 gramas de solo lunar. Segundo Jizhong, mais amostras serão distribuídas no futuro, conforme combinado, uma vez que a China está empenhada em promover a cooperação internacional e a convidar cientistas de fora a desenvolverem pesquisas dessas amostras em parceria.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Cerimônia de lançamento oficial do programa de pesquisas de amostra lunar, realizada em Pequim (Imagem: Reprodução/CLEP.org)

Entre as instituições selecionadas, estão o Ministério da Educação, o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação, o Ministério de Recursos Naturais e a Academia Chinesa de Ciências (CAS). Pei Zhaoyu, vice-diretor do centro e diretor do Lunar Sample Management Office, informou que a próxima rodada de avaliação está agendada para setembro deste ano, quando mais instituições serão contempladas pelas amostras.

As amostras coletadas pela missão Chang’e 5 são importantes porque fazem parte de uma região da Lua geologicamente jovem, próxima ao monte Mons Rümker. Através do estudo delas, será possível obter uma nova compreensão da evolução do nosso satélite natural. Liu Jizhong também revelou que as amostras lunares que serão coletadas na missão seguinte, a Chang’e 6, bem como as que serão coletadas em Marte e em asteroides — como planeja o país —, serão disponibilizadas a longo prazo.

Amostra lunar coletada pela Chang'e 5 (Imagem: Reprodução/CCTV/CNSA/CLEP)

A missão Chang’e 5 contou com um orbitador, um módulo de pouso e a sonda de coleta, lançada em 24 de novembro de 2020, retornando à Terra em 17 de dezembro. O orbitador segue no espaço, mas agora estudando o Sol.

Fonte: Moon Daily, CLEP

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.