Brasil poderá ser líder no uso de biocombustíveis na aviação

Por Redação | 14 de Setembro de 2012 às 13h45
photo_camera Empresa Verde

Assim como foi pioneiro na utilização de biocombustíveis em automóveis, o Brasil está prestes a se tornar líder mundial na utilização de fontes renováveis de energia também na aviação civil. As informações são da Agência Fapesp.

No entanto, o país ainda terá um longo caminho a ser trilhado para a efetivação do uso de biocombustíveis de ordem científica, tecnológica, de produção agrícola, políticas entre outros. Ainda de acordo com a publicação, pesquisadores deverão unir seus esforços a diversos setores para a concretização do projeto.

Na última segunda-feira (11) foi aberta em Brasília a Conferência sobre Biocombustíveis na Aviação do Brasil que, entre sua programação normal, visa discutir a viabilidade técnica e financeira para a implantação de fontes renováveis em aviões. Além disso, os participantes também avaliarão os estágios das pesquisas com biocombustíveis no país que possam garantir a substituição do querosene em aviões.

Atualmente, o setor de aviação é responsável por dois por cento do total de emissão de gás carbônico na atmosfera - que colabora para o aumento do efeito estufa -, que deverá ser reduzido para menos da metade desse valor até o ano de 2050.

Os fabricantes de aeronaves, por sua vez, estão voltando seus esforços para a construção de aviões e motores mais modernos capazes de otimizar o consumo de combustível. A utilização de ligas metálicas e outras técnicas de aerodinâmica também estão contribuindo para a diminuição das emissões de gases poluentes, mas com o aumento da frota de aviões e helicópteros no mundo todo essas técnicas têm se mostrado insuficientes.

"Todo o esforço que temos feito na otimização do consumo de combustível e na utilização das aeronaves não será suficiente. O único caminho que devemos seguir é em direção aos biocombustíveis", afirmou Emílio Matsuo, vice-presidente e engenheiro-chefe da Embraer.

Matsuo ainda afirmou que o grande desafio tecnológico e de pesquisa é a criação de um biocombustível a partir de uma biomassa que seja produzida em escala comercial, com baixo custo e que consiga ser misturada ao querosene utilizado atualmente na proporção de 50%, permitindo assim que as empresas fabricantes não tenham que fazer grandes alterações em seus motores.

Pesquisadores têm estudado diversas espécies de plantas e sementes brasileiras com características oleaginosas que seriam ideais para a criação de um biocombustível para aviões. A Embrapa, por sua vez, estuda a domesticação do pinhão-manso e do babaçu, cujo óleo é composto por ácidos com cadeias de carbono ideiais para a transformação em combustível.

A companhia área alemã Lufthansa já está utilizando um bioquerosene desenvolvido a partir do pinhão-manso junto com o combustível fóssil em sua frota de aviões. Porém, depois de mais de mil voos utilizando a mistura, interrompeu o experimento devido a falta de produtos no mercado para sua produção.

Com seu pioneirismo no uso de biocombustíveis no setor de automóveis, especialistas acreditam que o Brasil tem tudo para se tornar líder na tecnologia tanto na América Latina como no mundo todo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.