Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Rota 2030 | Ministério vai investir R$ 270 milhões na indústria automotiva

Por| Editado por Jones Oliveira | 22 de Novembro de 2023 às 10h34

Link copiado!

Divulgação/Stellantis
Divulgação/Stellantis

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) confirmou que investirá R$ 270 milhões em cinco ações de inovação e eficiência energética no setor automotivo brasileiro.

A revelação partiu do ministro da pasta e vice-presidente da República, Geraldo Alckmin, durante evento realizado nesta terça-feira (21), na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

As cinco ações fazem parte do programa Rota 2030, e parte dos recursos para a chamada neoindustrialização será destinada pelo Senai (R$ 70,4 milhões) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), que disponibilizará R$ 30 milhões.

Continua após a publicidade

“Esse é um recurso não reembolsável, que será importante para a indústria brasileira. Senai e Embrapii serão fundamentais no âmbito do Programa Mover, que substituirá o Rota 2030, direcionando o foco para inovação e descarbonização da mobilidade e da logística brasileiras”, sintetizou Alckmin.

Setor automotivo recebe 2º aporte milionário

O novo aporte anunciado pelo MDIC para o setor automotivo brasileiro foi o segundo em menos de um mês. No dia 24 de outubro, Geraldo Alckmin já havia assegurado R$ 200 milhões para “descarbonização automotiva” por meio do Acordo de Cooperação Técnica com o BNDES.

Agora, além dos aportes de Senai e Embrapii, também estão previstos o lançamento de um edital de R$ 133 milhões para projetos estruturantes envolvendo alianças entre empresas e institutos de pesquisa. Os planos incluem ainda consultorias hands on, focadas em aumentar a produtividade da cadeia automotiva com as novas exigências tecnológicas.

Segundo Alckmin, esses recursos “se juntarão a uma série de outras medidas de redução de custo, estímulo à inovação e fomento ao desenvolvimento sustentável que o governo está implementando, diretamente ou por meio de instituições como BNDES e parceiros como a ABDI e a Finep”.