Recall por defeito na bateria do Bolt pode levar até um ano para ser concluído

Recall por defeito na bateria do Bolt pode levar até um ano para ser concluído

Por Paulo Amaral | Editado por Jones Oliveira | 14 de Setembro de 2021 às 11h05
Divulgação/Chevrolet

A General Motors anunciou recentemente um recall global para corrigir os problemas na bateria do Chevrolet Bolt e, nesta segunda-feira (13), após uma conferência com a LG, responsável pela produção das células elétricas, revelou uma projeção nada animadora. De acordo com a montadora, as novas baterias podem não estar disponíveis até “depois de novembro”.

Apesar de ainda não ter definido se os 142 mil Chevrolet Bolt produzidos entre 2017 e 2021 precisarão efetuar a troca completa do pack, ou apenas da bateria, GM e LG confirmaram que todos precisarão ser atendidos. Como a LG produziu menos de 5 GWh por mês de baterias entre janeiro e julho, e agora terá que produzir 9 GWh adicionais, isso implicará em um período de até um ano para que o recall seja 100% concluído.

Os prejuízos para as empresas também serão de uma grandeza impressionante. Aparentemente, o custo de toda a operação chegará a US$ 1,8 bilhão, equivalente a R$ 9,42 bilhões na cotação atual. Dan Flores, porta-voz da GM, confirmou que a empresa está comprometida em agilizar ao máximo o processo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

“Os especialistas da GM e da LG continuam trabalhando incessantemente nas questões. Estamos determinados a fazer a coisa certa para nossos clientes e resolver o problema de uma vez por todas. Assim que estivermos confiantes que a LG pode nos fornecer bons módulos de bateria, começaremos os reparos o mais rápido possível", assegurou.

Defeitos detectados

De acordo com a GM, duas falhas foram detectadas em células de bateria produzidas na Coreia do Sul e em Michigan, nos Estados Unidos: uma aba do ânodo cortada e um separador dobrado. Esse segundo defeito, em algumas raras circunstâncias, pode até fazer com que a bateria pegue fogo.

Para evitar maiores problemas e transtornos aos proprietários enquanto o recall não acontece, a General Motors tem passado algumas orientações sobre o uso prudente do Chevrolet Bolt. Segundo a empresa, além de manter os carros estacionados em lugares abertos, o ideal é usar apenas 60% do estado de carga (SOC) da bateria disponível (entre cerca de 30% e 90% SOC). Isso fará com que a autonomia caia de 400 km para 240 km, mas aumentará a segurança.

"Em casos em que o veículo, durante o carregamento, tenha a bateria carregada com capacidade total ou muito próximo da capacidade total, a não conformidade pode gerar risco de incêndio, com possibilidade de danos materiais, lesões físicas graves ou até mesmo fatais", disse a GM, em comunicado.

No Brasil, o recall também será realizado. Segundo a General Motors do Brasil, serão chamadas as seguintes versões do Bolt:

  • Chassis Nº: L4100194 a L4125710
  • Data inicial e final de fabricação: 14/Jun/2019 a 20/Jun/2020

Como é de praxe em procedimentos de recall, o serviço é totalmente gratuito. O tempo estimado do reparo, segundo a GM, é de 30 minutos. Para agendar, basta entrar no site oficial da empresa.

Fonte: Inside Evs

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.