Em meio a desconfiança de Wall Street, Tesla apresenta sua tecnologia autônoma

Por Thaís Augusto | 22 de Abril de 2019 às 20h20
Mota
Tudo sobre

Tesla

Saiba tudo sobre Tesla

Ver mais

A Tesla anunciou nesta segunda-feira (22) detalhes sobre a sua tecnologia de direção autônoma. No evento "Autonomy Day", os executivos da companhia deram aos investidores detalhes sobre o desenvolvimento do software e hardware de direção que dispensa motoristas no banco da frente.

"A Tesla está fazendo progressos significativos, inclusive com o computador FSD, atualmente em produção e que permitirá a autonomia plena por meio de atualizações futuras de software", disse a empresa ao anunciar o evento. Os investidores ainda receberam crachás vermelhos com a marca da Tesla — a identificação deve permitir que os participantes do evento realizem testes de condução da funcionalidade assim que o sistema for lançado.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O CEO da Tesla, Elon Musk, subiu ao palco aproximadamente às 11h43 acompanhado do vice-presidente de engenharia do Autopilot, Pete Bannon, enquanto mais de 40 mil pessoas assistiam a transmissão ao vivo do evento pelo YouTube.

Bannon explicou como a Tesla projetou um novo chip para o Autopilot, ressaltando que a empresa conseguiu mesclar o conhecimento de várias equipes da empresa. "Eu realmente adoro quando uma solução é reduzida a seus elementos básicos", disse Bannon sobre a arquitetura do chip. "Você tem vídeo, computação e energia. É simples e direto".

Musk completou que o software da Tesla coloca a questão da segurança em foco. "Qualquer parte do sistema pode falhar, mas o carro continuará dirigindo", disse o CEO. "A probabilidade deste computador falhar é substancialmente menor do que a de alguém perder a consciência."

De acordo com os executivos, a rede neural do novo chip da Tesla pode processar 2.100 quadros por segundo de imagens recebidas de carros. Isso é o equivalente a 2,5 bilhões de pixels por segundo. "Isso é muito mais detalhado do que a maioria das pessoas gostaria", disse Musk depois que Bannon terminou sua apresentação. "A princípio parece improvável. Como poderia ser que Tesla, que nunca projetou um chip antes, projetasse o melhor chip do mundo? Mas isso é objetivamente o que ocorreu".

Musk também ressaltou que todos os novos veículos da Tesla receberão o chip. Com isso, a empresa se afasta da tecnologia de radar LIDAR (Light Detection and Ranging), usada pelo resto da indústria para alimentar carros autônomos. "LIDAR é para tolos", disse Musk. "Qualquer pessoa que esteja confiando no LIDAR está condenada. São sensores caros e desnecessários. É como ter um monte de apêndices caros. Isso é ridículo. Vocês vão ver", declarou o CEO.

Inteligência artificial

O diretor sênior de inteligência artificial da Tesla, Andrej Karpathy, subiu ao palco aproximadamente às 12h23. "Pete disse a vocês tudo sobre o chip que projetamos e que executa as redes neurais no carro. Já a minha equipe é responsável pelo treinamento dessas redes neurais, e isso inclui toda a coleta de dados da frota, o treinamento da rede neural e, em seguida, algumas implantações para o chip", anunciou ele.

Cabe ao software de inteligência artificial da Tesla monitorar todo o fluxo de entrada de dados dos veículos e tomar decisões de direção com base nessas informações. Isso pode ser tudo, desde escolher um lado da pista até identificar sinais de trânsito, luzes de farol e pedestres. É basicamente a mesma função que o cérebro humano faz todos os dias, transformando sinais em objetos conhecidos com toneladas de reconhecimento de padrões.

 Andrej Karpathy explica tecnologia de redes neurais da Tesla. Imagem: Reprodução / Business Insider

Para treinar uma rede neural, o computador precisa de milhares de exemplos para alimentar seu sistema, explicou Karpathy: "Não há substituto para os dados reais". O sistema pode então ser treinado com base em dados coletados por carros da frota de Tesla que já estão na estrada, disse Karpathy. Quanto mais o motorista rodar, mais dados serão carregados pelo sistema de inteligência artificial da Tesla para treinar ainda mais o piloto automático.

Robô-táxis

No ano que vem, Musk espera lançar o primeiro robô-táxi operacional da Tesla. O CEO afirmou estar "muito confiante" em prever o lançamento do programa para o próximo ano, mas não em todas as regiões — por causa de regulamentos locais.

Musk diz que qualquer cliente poderá adicionar ou remover seu carro da "Rede Tesla", que ele descreve como uma combinação entre o Uber e o Airbnb. Semelhante a essas plataformas, a Tesla prevê que cerca de 25-30% das receitas geradas serão a partir de corridas compartilhadas.

Em lugares onde poucas pessoas compartilham seus carros, haverá veículos dedicados da Tesla para atender à demanda. A Tesla ainda criará o seu próprio aplicativo de passeio para os clientes pedirem uma carona ou comprometerem seus carros para a frota.

Os veículos Model 3 e Model S da Tesla serão usados ​​como táxis, diz Musk. Se a promessa sair do papel, o impacto na indústria de compartilhamento de viagens poderá ser enorme. Como Musk apontou, o custo médio de compartilhamento de passeio hoje por milha é de cerca de US$ 2 a US$ 3, mas a Tesla estima que um robô-táxi custará menos de US$ 0,18 aos motoristas. De acordo com a fabricante, um motorista poderia lucrar até US$ 30 mil por ano apenas ao operar pela "Rede Tesla".

Tesla quer criar um aplicativo para o compartilhamento de corridas ou empréstimos de carro. Imagem: Reprodução / Business Insider

Em meados do ano que vem, Musk diz que mais de um milhão de carros da Tesla estarão na estrada com hardware totalmente autônomo, o que significa que há um potencial de um milhão de robô-táxis até então.

Wall Street desconfia de anúncios da Tesla

Os analistas da Wall Street, símbolo do mercado de negócios dos Estados Unidos, estão levantando questões urgentes com as quais os investidores da Tesla devem se preocupar antes do relatório de lucros do primeiro trimestre da empresa, na quarta-feira (24).

"Acreditamos firmemente na visão de longo prazo da Tesla e esperamos que sua tecnologia autônoma seja o elemento central do sucesso da empresa", disse o analista da Wedbush, Daniel Ives, em uma nota aos clientes nesta segunda-feira. "Mas os investidores precisam de uma compreensão melhor da trajetória de demanda de curto prazo nos Estados Unidos durante o segundo trimestre, a logística de entrega para o Model 3 na Europa e China, que foi o principal culpado pelo desastre do primeiro trimestre, e melhor compreensão da frágil situação do balanço patrimonial de Musk e companhia".

Arndt Ellinghorst, analista da Evercore, disse que estava esperando por detalhes antes de atribuir qualquer valor ao conjunto autônomo de Tesla. "Estamos certos de que o mercado vai receber muitas promessas no Autonomy Day, mas gostaríamos de ver mais provas antes de atribuir um valor significativo", disse ele em nota aos clientes. "O mercado não vai dar crédito a Tesla pelas promessas de Musk".

Fonte: Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.