Entrevista | Como as edutechs estão revolucionando a educação e a indústria

Por Rafael Arbulu | 01 de Abril de 2019 às 20h20

A educação tradicional precisa de inovação. Os atuais modelos acadêmicos, focados na absorção teórica de disciplinas curriculares, estão, pouco a pouco, se distanciando das atuais gerações, mais conectadas e que melhor se relacionam com temáticas atuais, buscando aprender por meio de tecnologias novas e, consequentemente, deixando de dar espaço ao ensino comum.

Segundo o relatório The Future of Jobs 2018, feita pelo Fórum Econômico Mundial, 65% das crianças do ensino fundamental trabalharão em cargos que não existem hoje. O mesmo relatório também estima que em 2022, 54% da população mundial precisará atualizar seus conhecimentos e adquirir novas habilidades para competir no mercado de trabalho.

Esse quadro não passou despercebido por startups que, enxergando uma oportunidade de inovação educacional, criaram novos métodos e novas disciplinas, voltadas não apenas à formação do aluno para o mercado de trabalho, como também ao ensino acadêmico voltado a fatos e eventos mais atuais, não necessariamente abandonando as teorias tradicionais, mas incorporando-as em novos contextos.

O mercado de "Edutechs" — startups focadas na oferta de cursos em variados níveis — vem crescendo em meio a oportunidades de ensino à distância e qualificação profissional

Empreendedores da educação ganham espaço

A nossa equipe conversou com alguns especialistas e empreendedores do setor, a fim de saber em que ponto estamos na educação moderna brasileira e, acima de tudo, para onde vamos. Antes de tudo, o consenso de todos é o de que a educação (e a consequente proliferação de negócios voltados à ela) vem se alterando por causa da internet: Andrés Moreno, co-fundador e CEO da Next U (uma das plataformas da escola de idiomas a distância Open English) isso pode ser resumido pela locução “democratização da tecnologia”: “O acesso à internet dá às empresas a oportunidade de oferecer produtos de alta qualidade e de grande conveniência, permitindo que alunos se qualifiquem e sejam profissionais ainda mais preparados para o mundo em que vivemos”, ele comenta. “Além disso, cada vez mais procura-se a conveniência e a praticidade para os estudos, e os cursos online suprem essa necessidade, já que é possível estudar sem sair de casa, ou de qualquer lugar”.

No caso de Moreno, a Next U acredita estar mais alinhada com as realidades profissionais modernas, oferecendo dois diferenciais: o ensino à distância, que traz comodidade ao aluno que não precisa ou não pode se deslocar até uma instituição instalada; e a grade curricular voltada a profissões emergentes: “As demandas do mercado estão caminhando mais rápido do que os formatos de educação tradicional, que demoram mais para serem atualizados e validados. Uma resposta possível e real é dizer que nossos cursos estão abraçando o mercado, uma vez que nosso conteúdo acadêmico está alinhado com pré-requisitos mais comuns em vagas de trabalho nas áreas de Marketing, Desenvolvimento Web e Android.”

De fato, segundo informações da Associação Brasileira de Startups (ABStartups), ainda que 47% das empresas que unem tecnologia e educação atuem no ensino básico, 14% delas apresentam cursos em mais de um segmento, além de 19% trazendo cursos livres. Vagner Baptistelli, CEO da Eduvem, ecoa esses números: “O crescimento das startups de educação decorre da crescente necessidade do público de acesso a conteúdos que contribuam com sua capacitação, seja ela de caráter acadêmico, profissional ou meramente informativo. As novas tecnologias viabilizaram isto por meio da internet e os aplicativos desenvolvidos a partir de então, democratizaram este conteúdo antes restrito ao universo acadêmico ou a centros de treinamentos”, ele comenta.

Para Arthur Igreja, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e especialista em tecnologia e inovação, além destes, há um outro fator presente: a mudança de gerações. “Enquanto as instituições mantêm práticas conservadoras, nós estamos vendo a geração Y se tornar pais e mães. Eles são pais tecnológicos, diferente da geração X que terceirizou a educação e entregou aos colégios. O ‘pai Y’ quer participar, quer comunicação, saber o que está acontecendo em tempo real. A ansiedade que ele tem no trabalho, ele também tem com o filho. E as escolas não souberam responder isso. Então, quem está ocupando esse vácuo são as startups tecnológicas”.

Aceitação de público e mercado

Andrés Moreno, CEO e co-fundador da Next U, uma plataforma da escola de idiomas Open English: "As demandas do mercado estão caminhando mais rápido do que os formatos de educação tradicional" (Foto: Next U/Portfólio)

Por mais inovadora que uma solução se apresente, sempre existirá aquele(s) que preferem a manutenção do tradicionalismo. No Brasil, por mais que as startups que trazem a educação como produto estejam em franco crescimento, a visão que o público tem delas é a de que todas funcionam como um complemento ao ensino de base.

Para os três especialistas ouvidos pelo Canaltech, porém, o quadro é o de convívio mútuo e cooperação. Eles até consideram a possibilidade, ainda que remota e muito futura, de que o ensino por meio de startups possa vir a ser um substituto para os métodos tradicionais, mas a corrente atual de pensamento é a de que ambos correm em paralelo, complementando-se entre si em certos pontos.

“Acreditamos que os modelos tradicionais de ensino têm um papel significativo na formação de conhecimento, e que o aprendizado deve ser contínuo. Nosso papel é justamente complementar o aprendizado, agregando valor ao currículo desses profissionais com habilidades relevantes e alinhadas com o mercado de trabalho”, comenta Andrés Moreno. “De fato, há uma resistência relacionada à certificação online, como se o diploma tradicional fosse mais relevante que as habilidades aprendidas. Nós consideramos a possibilidade de acompanhar as mudanças e demandas do mercado mais importante, e temos esperança que as empresas reconheçam o interesse e a ‘mão na massa’ como fator decisivo para a contratação de profissionais”.

Vagner Baptistelli, CEO da Eduvem: "A tecnologia tem a missão de permitir o acesso aos menos favorecidos, criando assim uma nova massa de trabalhadores qualificados, requalificar os atuais” (Imagem: Reprodução/LinkedIn)

Baptistelli pondera que, cada vez menos, as empresas estão dando valor a métodos tradicionais de contratação, preferindo avaliar candidatos pela sua capacidade de aprendizado e proatividade: “Aqui, tocamos em um ponto importantíssimo — a democratização do ensino, uma arma para superar barreiras como distância, condição financeira ou tempo. A tecnologia tem a missão de permitir o acesso aos menos favorecidos, criando assim uma nova massa de trabalhadores qualificados, requalificar os atuais”. O executivo crê que essa abertura, como ele pontua, será o fator de decisão das empresas ao buscarem profissionais cada vez mais capacitados: “O interesse das empresas é ter um profissional qualificado, que execute suas tarefas com qualidade e faça entregas consistentes. O formato pelo qual este conteúdo foi adquirido pouco importa. Abre-se aqui uma outra importante oportunidade, diante do dinamismo que novos conteúdos podem ser produzidos e disponibilizados, o de se preencher a grande lacuna entre o currículo tradicional das universidades e a realidade do mercado, seja para a formação técnica ou comportamental”.

O professor Arthur chama isso de um “desejo por resolver problemas”. Segundo ele, as empresas até valorizam pessoas que passaram pelo crivo acadêmico — “elas mostram ter resiliência”, segundo ele —, porém o mercado quer saber como você responde a problemas e oferece soluções. O acadêmico diz que, dentro desse vão entre teoria e prática, as startups de cursos rápidos, voltadas a um currículo mais moderno e pontual ao setor trabalhista, possuem espaço para crescer.

Preconceito em queda

Por tudo isso, na opinião dos três especialistas, está em queda a quantidade de empresas que “torcem o nariz” para graduados por EAD — seja na esfera técnica, de Ensino Superior ou cursos de aprimoramento de currículo. Para eles, o mercado é uma máquina extremamente adaptável: “É importante que os recrutadores e empresas entendam que habilidades e conhecimento específicos são mais importantes do que o método utilizado para adquiri-los”, diz Moreno, novamente ressaltando o portfólio educacional da Next U como algo voltado ao mercado de trabalho e a preparação do aluno para a vida profissional.

“Hoje já evoluímos muito na formação complementar ou específica e grandes instituições renomadas como Harvard, MIT, FGV e FDC, disponibilizam conteúdos de excelente qualidade antes impensáveis de se obter, transferindo ao EAD o mesmo cuidado com que cuidam de seus conteúdos tradicionais”, argumenta Baptisttelli. “Ainda assim, não podemos fechar os olhos a um outro mercado que se aproveita destes recursos para pura e simplesmente aumentarem seu faturamento criando conteúdos massificados e sem qualidade”.

Arthur Igreja, da FGV: "[O setor de edutechs] É um dos mercados que mais passarão por transformações nos próximos cinco ou 10 anos. As escolas, desde o infantil até o mestrado, vão ter que se transformar" (Foto: Acervo/FGV)

Arthur Igreja é mais pragmático, mas ecoa a mesma opinião: “Todo preconceito é combatido com evidências. Se a pessoa fez EAD ou não, a partir do momento em que ela conseguir mostrar o seu contexto de dedicação, de que ela sabe resolver o problema, para as empresas, tanto faz”.

“É um dos mercados que mais passarão por transformações nos próximos cinco ou 10 anos. As escolas, desde o infantil até o mestrado, vão ter que se transformar. Os alunos estão entediados; os professores, frustrados; as instituições, com margens cada vez mais apertadas. Então, quando você olha um cenário como esse, é um mercado gigantesco, mas que está muito comprimido pela falta de boas ideias”, diz o professor da FGV.

Ele ainda continua: “Tenho esperança de que em 10 anos, o mercado de educação será irreconhecível, se comparado ao que temos hoje. Todas essas tecnologias são muito recentes, e o mundo da educação ainda está tentando entender como usá-la da forma certa, no lugar certo. Acredito que o futuro será um misto de experiências que o remoto não pode entregar com a entrega de uma curadoria dos melhores mestres, dos melhores conteúdos de forma remota. Acredito muito nesse sistema individualizado e focado em experiências“.

Fonte: The Future of Jobs Employment, Skills and Workforce Strategy for the Fourth Industrial Revolution

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.