Os motivos para o fracasso do Business Intelligence nas organizações

Por Diego Elias | 13.06.2014 às 16:45
photo_camera Foto:Maksim Kabakou/Shutterstock

Foto:Maksim Kabakou/Shutterstock

Infelizmente muitas das iniciativas de Business Intelligence (BI) não alcançam o sucesso. São diversos os motivos que fazem as implementações dessas soluções falharem. Mas afinal, o que as levam ao fracasso?

Primeiramente devemos entender o que fazem as organizações adotarem essa solução. Entre os motivos estão o aumento da produtividade, minimização dos riscos, assertividade das decisões, velocidade das respostas, visualização de tendências e diminuição de custos.

As empresas buscam no BI formas para melhorar o desempenho organizacional e o diferencial competitivo. Apesar das vantagens e benefícios encontrados nesta solução, algumas tentativas de adoção não vão adiante devido a barreiras encontradas pelo percurso.

As dificuldades mais comuns são encontradas dentro da própria organização (ambiente interno). Entre elas estão a barreira cultural, falta de visão estratégica, inexistência ou má qualidade dos dados, centralização da solução e escolha incorreta da ferramenta de BI para os usuários.

O BI interfere na forma que a organização pensa e age no dia a dia. E, como toda mudança, há empecilhos a serem enfrentados. A barreira cultural na empresa é um grande problema a ser encarado. Muitas empresas não são preparadas o suficiente para mudanças. Não que toda mudança seja benéfica, mas não estar aberto para as oportunidades é um fator crítico, que não só pode levar a iniciativa ao fracasso, como toda a empresa.

Muitas pessoas não querem mudar sua forma de trabalho pelo enraizamento do processo atual e pela comodidade de continuar como está. Também, muitas vezes, é devido a insegurança de terem seus trabalhos ameaçados pela nova tecnologia, o que na maioria das vezes não tem fundamento algum.

A visão gerencial é fundamental para o sucesso do BI. Isso porque é uma premissa básica a iniciativa ter o apoio da alta gestão. Se ela mesma não vislumbrar a potencialidade da oportunidade de adoção de uma solução de BI, provavelmente fracassará por não conseguir ultrapassar nem mesmo a primeira barreira elencada (barreira cultural).

Do ponto de vista técnico, o profissional de BI deve estar preparado para enfrentar algumas situações indesejadas. Antes mesmo de iniciar a construção propriamente dita, deve-se analisar a fonte de dados e verificar a viabilidade que os dados possuem em alcançar as necessidades da empresa. Os dados também devem fornecer veracidade, pois sem a fidelidade das informações o BI não possui valor algum.

É importante também o profissional conhecer bem os usuários, suas necessidades, limitações e desejos. Lembrando sempre que a disseminação ajuda na propagação e fortalecimento da solução na organização. A restrição a apenas um único usuário se torna crítica, pois além da empresa não se beneficiar efetivamente da potencialidade da solução, a saída do utilizador da solução caracteriza, normalmente, o fim do BI na organização.

Conhecendo o usuário, o profissional também saberá prover a ferramenta mais adequada. A escolha da ferramenta errada pode frustrar os utilizadores, que, consequentemente, podem ignorar o BI e voltar às suas antigas planilhas.

Enfim, é importante a organização ter a capacidade de se adaptar a mudanças. E se tratando de cultura, apenas a alta gestão possui forças para mudar o cenário. Ela deve ser a patrocinadora e entender a importância de todo o processo para a empresa. O profissional de BI deve também analisar com cautela as circunstâncias dos dados e usuários, para efetuar as devidas objeções e prover a melhor ferramenta para a organização. Com esse espírito, provavelmente a solução de BI, ou qualquer outra iniciativa, alcançará aceitação e sucesso.