Yahoo vai recomprar US$ 3 bilhões em ações próprias

Por Redação | 17.05.2017 às 10:20

A Yahoo anunciou nesta terça-feira (17) um grande processo de recompra das próprias ações em preparação à finalização de sua venda para a Verizon. Como parte da ação, cotas adquiridas por acionistas poderão ser devolvidas à companhia por um valor acima do cobrado pelo mercado, como forma de incentivar os investidores a abrirem mão dos papéis.

O movimento é uma forma de trazer liquidez para aqueles que não estão satisfeitos com as negociações entre a Yahoo e a Verizon, bem como com as mudanças de direcionamento que estão no horizonte. Eles, além de dificultarem eventuais processos decisórios no futuro, não estariam dispostos a perder dinheiro -- daí a oferta de valores acima do usual, funcionando para “liberar o caminho” e limpar a casa para o que está por vir.

Estão de fora, entretanto, os executivos e diretores da própria companhia do Vale do Silício, que não podem revender suas ações como forma de evitar especulações e suspeitas. A oferta de recompra deve ser iniciada após o dia 13 de junho, quando termina outro processo de venda de ações que já está em andamento. A companhia não deu mais detalhes sobre o assunto, confirmando apenas que os preços dos papéis não devem ser menores do que US$ 37.

O mercado reagiu bem à notícia e, durante pregão desta terça-feira (17), as ações da Yahoo chegaram a uma alta de 2,2%, fechando as negociações valendo US$ 50,96. Com o esfriamento do mercado, houve queda, mas a expectativa é que a situação se mantenha como está até o anúncio de mais novidades sobre a recompra de ações, que deve levar os papéis da empresa a mais valorização.

Anunciada em fevereiro, a compra da empresa pela Verizon é um negócio de US$ 4,83 bilhões que compreende apenas seus serviços de internet. Enquanto toda a plataforma online passa para as mãos da operadora de telefonia, o restante da companhia se transforma em uma holding chamada Altaba, que terá como principais negócios o Alibaba, gigante do comércio eletrônico na Ásia, e a administração de portfólio de ações que incluem uma participação de 35% no braço japonês da Yahoo.

Fonte: Reuters