Preços, fretes e cashback: Google mostra tendências para Black Friday 2020

Por Rui Maciel | 06 de Outubro de 2020 às 12h15
Reprodução
Tudo sobre

Google

Saiba tudo sobre Google

Ver mais

Em um evento online chamado "Temporada Black Friday", que começou nesta terça-feira, o Google apresentou as principais tendências para a temporada de compras de 2020, cujo início será marcado a partir da Black Friday, no final de novembro.

De acordo com a Big Tech, ao longo dos últimos anos, com o crescimento do faturamento, a chegada de novos players e expansão de categorias, ficou mais complexo para os varejistas e marcas se diferenciarem na Black Friday. Se no passado oferecer bons descontos era suficiente, hoje é o mínimo esperado pelo consumidor.

Segundo dados do Google, o preço ainda é o principal critério para os brasileiros no momento de decisão de uma compra, e a pandemia aumentou ainda mais o interesse por promoções. A partir de abril, as buscas relacionadas ao tema subiram de forma exponencial e cresceram 38% entre abril e julho de 2020 vs mesmo período no ano passado, enquanto entre janeiro e março, as buscas por promoções estavam 28% menores que no primeiro trimestre de 2019.

Porém, para o consumidor, o conceito de preço é mais amplo e envolve possíveis descontos por meio de cupons ou de cashback. O volume de buscas por cupom é 35x maior que por cashback, mas o interesse por termos relacionados a cashback cresce em um ritmo mais acelerado (74% ano a ano) que o por cupom (+30% ano a ano).

Frete também...e muito!

Assim como em edições anteriores da Black Friday, o frete continua como um diferencial de peso para os consumidores. Durante a pandemia, com a migração das compras do mundo físico para o online, houve um aumento expressivo do interesse por "frete grátis" nas buscas do Google. Em julho deste ano, o tema já era 118% maior do que no mês da Black Friday de 2019.

O termo "Frete Expresso" também ganhou relevância no período e terá um papel importante na temporada, principalmente no Natal, por conta das compras de última hora. As preocupações do consumidor com tempo e custo de entrega dão maior protagonismo para soluções omnichannel, como a modalidade "clique & retire", quando o produto é adquirido de forma online, mas retirado nas lojas.

De acordo com dados apresentados no primeiro dia do evento, a pandemia fez com que boa parte dos brasileiros atravessassem a fronteira que os separava dos canais de compra digitais. O Ebit reportou 7,3 milhões de novos e-shoppers no primeiro semestre de 2020, um crescimento de 38% em relação ao mesmo período do ano passado. Outra pesquisa encomendada pelo Google e realizada pela Ipsos aponta que 57% dos brasileiros dizem comprar mais online agora do que antes da pandemia.

Consumidores mais "veteranos" em compras online

O momento atual, marcado pela pandemia, também elevou o patamar de conhecimento dos já adeptos ao e-commerce. Esse consumidor aumentou a frequência das compras e tem maior abertura a experimentar tanto novas categorias, quanto novas marcas e varejistas. O levantamento do Google/Ipsos mostrou, ainda, que 80% dos consumidores dizem que sua forma de comprar ainda está alterada devido à pandemia.

O consumidor brasileiro está mais experiente na hora de realizar compras online, segundo o Google

“Uma nova relação com o digital, somada às mudanças de comportamento e o cenário atual, fizeram do consumidor mais consciente de suas prioridades e mais planejado. Para ele, a Black Friday de 2020 será menos sobre comprar somente o que está com um super-desconto e mais sobre fazer bons negócios”, diz Gleidys Salvanha, diretora de negócios para o Varejo do Google Brasil. “Já para as marcas e varejistas, a data não é um momento apenas para queima de estoque, mas uma oportunidade de lançarem produtos, serviços, formas de se diferenciarem e conquistarem novos clientes”, completa.


Black Friday 12 meses por ano

Em um contexto de lojas físicas fechadas e isolamento social, o e-commerce registrou a sua maior alta histórica em 2020, com picos de crescimento nas datas sazonais, como Dia das Mães e dos Namorados. O mesmo se reflete nas buscas no Google. Em 2019, a semana da Black Friday foi o pico de buscas no Google para 72% das macro categorias do varejo. Neste ano, entre os dias 26 de agosto e 22 de setembro, 19 das 29 categorias analisadas pelo Google já registraram um volume de buscas que supera a Black Friday de 2019. Esse crescimento se divide em três tendências:

  • Outros produtos tradicionais da temporada de compras, como TV e Vídeo, Telefonia e Eletrodomésticos, estão num patamar de buscas muito acima do registrado antes da pandemia, ainda que abaixo do pico da Black Friday de 2019;
  • Categorias como Móveis e Decoração, que anualmente registrava o pico histórico de buscas no Google durante a Black Friday, se encontram num patamar acima - 22% e 51% respectivamente - do registrado na última edição do evento;
  • Alimentos e Bebidas, que não registravam picos durante a Black Friday, estão hoje num novo patamar de buscas, 40% e 23% respectivamente acima da Black Friday de 2019.

E você, caro leitor? O que vai levar em conta na Black Friday para decidir uma compra? Deixe sua opinião na página aqui embaixo, nos comentários.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.