Como funciona um porta-aviões?

Como funciona um porta-aviões?

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 16 de Fevereiro de 2022 às 10h00
Reprodução/Pixabay

Os porta-aviões são embarcações fantásticas utilizadas por marinhas do mundo todo para facilitar a operação de aeronaves militares em locais distantes. Sempre alocadas em posições estratégicas, esses veículos colossais podem pesar mais de 100 mil toneladas e abrigar dezenas de caças e helicópteros.

Mas, como funciona um porta-aviões? Para quê ele serve, de fato?

O que é um porta-aviões?

Antes de entender sua função, vamos ver o que é, de fato, um porta-aviões.

Basicamente, trata-se de uma embarcação estratégica que serve para abrigar aeronaves de combate, tornando mais fácil missões que são de difícil acesso por conta da distância.

O Porta-aviões São Paulo, da Marinha do Brasil (Imagem: Reprodução/Flickr/Rob Schleiffert)

Geralmente os porta-aviões são navios gigantescos com mais de 200 metros de comprimento e peso estimado em 100 mil toneladas. Além disso, são fortemente armados, resistentes e nunca estão sozinhos no oceano, já que, por ser lento, depende da ajuda de outras embarcações menores para sobreviver em situação de guerra.

Para suportar tudo isso, um porta-aviões é praticamente uma cidade sobre as águas. Mais de 6 mil pessoas podem trabalhar em uma dessas embarações, desde pilotos e engenheiros até cozinheiros e médicos. Profissões como a de operador de pista, por exemplo, são algumas das mais perigosas.

Cada porta-aviões pode abrigar até 100 aeronaves, que são, geralmente, estacionadas abaixo do convés. Para se locomover, essas embarcações contam com motores movidos a energia nuclear, fazendo com que elas possam ficar em alto-mar por até 20 anos!

Como funciona um porta-aviões?

Se os porta-aviões são estratégicos e abrigam tantos aviões, como é que as aeronaves decolam com uma distância tão curta de pista? Aí é que está o segredo do funcionamento dos porta-aviões e o quão impressionantes eles são. Os modelos mais modernos contam com uma espécie de estilingue que ajuda os caças a decolarem mais rapidamente, criando um empuxo descomunal.

Esse procedimento é chamado de CATOBAR: Catapult Assisted Take-Off But Arrested Recovery (Decolagem Assistida por Catapulta e Recuperação por Arrasto).

Ao alocar esse estilingue nos caças, que geralmente são chamados de catapultas, um motor a gás é o responsável por levar os cabos de aço e a aeronave a uma velocidade de 240km/h em apenas dois segundos. Com isso, a decolagem pode ser feita mesmo com a limitação de pista.

Para o pouso, a pista possui alguns cabos de retenção para conter as aeronaves e reduzir a velocidade. A maioria dos porta-aviões atualmente em funcionamento no mundo podem mitigar caças de 20 toneladas e absorver uma pressão de 47,5 milhões de libras/pés.

Além de todos esses apetrechos tecnológicos e de engenharia, os porta-aviões são ótimas bases aéreas porque podem se deslocar livremente pelos oceanos, gerando uma infinidade de possibilidades de ataque e defesa para os países.

Com informações: Super Interessante, Canal Piloto

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.