Uber estende a exigência de máscara para seus motoristas por tempo indefinido

Por Rui Maciel | 02 de Julho de 2020 às 13h15
The Wall Street Journal
Tudo sobre

Uber

Saiba tudo sobre Uber

Ver mais

Na última quarta-feira (1º), a Uber anunciou que estendeu por tempo indefinido a exigência do uso de máscaras para os motoristas e motociclistas que utilizam a sua plataforma. Além disso, a companhia aproveitou para lançar um vídeo de uma nova campanha sobre o tema, para informar aos usuários sobre a nova política.

A exigência de máscaras foi iniciada no dia 18 de maio. Originalmente, ela estava programada para terminar no final de junho, mas a companhia resolveu estender o seu uso. Em comunicado, o Uber afirmou: “Estender nossa política de 'Sem Máscara, Não Dirija' é a coisa certa a se fazer. Queremos enviar uma mensagem clara para todos que usam o Uber de que todos temos um papel a desempenhar para manter um ao outro em segurança ”.

Um porta-voz da companhia declarou à agência de notícias Reuters que a data de vencimento da política de uso de máscaras era apenas uma estimativa. A Uber afirma que continua monitorando a situação e a disseminação do novo coronavírus.

O novo vídeo de campanha da Uber agradece aos motoristas da plataforma e aqueles que trabalham na entrega de comida. A peça afirma que usar uma máscara é uma maneira de agradecer por seus serviços essenciais durante as semanas de quarentena.

Desde que a política entrou em vigor em maio, os condutores da plataforma precisaram tirar uma selfie para verificar se estavam, de fato, usando o acessório antes de começar o trabalho. A empresa disse que concluiu cerca de 50 milhões de detecções de máscaras com motoristas e entregadores e completou mais de 100 milhões de viagens neste formato desde 18 de maio.

Em maio, um executivo do Uber afirmou que a companhia estava desenvolvendo um recurso semelhante para verificar a conformidade dos passageiros com a política. No entanto, pelo menos até o momento, a empresa não apresentou uma evolução significativa nesse recurso, mas afirmou que continua a procurar uma opção.

A extensão da política de máscaras do Uber surge quando os números de contágio nos EUA pelo coronavírus seguem fortes e o debate sobre medidas de saúde pública e o uso do acessório assumiram um tom partidário no país, principalmente com a chegada das eleições presidenciais, programadas para novembro.

Pagamento facilitado para casos de COVID-19 foi facilitado em abril

Em abril deste ano, o Uber também flexibilizou as regras de pagamento de seu programa de auxílio-doença aos motoristas que foram afetados pela pandemia do COVID-19. As mudanças ocorrem depois que muitos dos condutores reclamaram que as regras para receber o benefícios eram rigorosas demais.

De acordo com a empresa, a política de pagamento expandiu a elegibilidade, para incluir motoristas e entregadores que foram instruídos a se colocarem em quarentena individualmente, porque eles têm condições de saúde preexistentes. Como isso significa que mais pessoas são elegíveis do que sob a política antiga, a empresa optou por estabelecer um pagamento máximo por pessoa para tornar essa nova política mais sustentável.

Em outras palavras, o motorista tem direito ao benefício se ele recebeu uma ordem individual de auto-quarentena porque suspeita-se de ter um caso ativo de COVID-19. Isso vale também se ele recebeu uma ordem individual de se colocar em quarentena por ter condições de saúde preexistentes(por exemplo, diabetes, pressão alta, problemas cardíacos, etc.) que o colocam em maior risco de doenças graves devido ao COVID-19.

A Uber afirma que o objetivo é processar a solicitação do auxílio em até sete dias úteis. Antes de se inscrever, ela pede que o motorista revise cuidadosamente todos os requisitos listados em seu site. Ao se inscrever solicitando o benefício, a conta Uber do condutor será temporariamente suspensa como medida de segurança para ajudar a limitar a propagação do COVID-19.

Para receber a compensação, os motoristas devem concluir, pelo menos, uma viagem ou entrega nos últimos 30 dias. Eles também devem fornecer documentação preescrita por um médico ou funcionário de uma agência de saúde do governo. Os condutores não são elegíveis a receber o pagamento se uma cidade ou país suspender o Uber ou se uma quarentena em massa for solicitada em uma localidade.

O Brasil é um dos países que já contam com esse benefício.

Fonte: Reuters  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.