Publicidade

Inteligência artificial do Google permite decifrar hieróglifos egípcios

Por| 16 de Julho de 2020 às 21h15

Link copiado!

Unsplash
Unsplash
Tudo sobre Google

Na última quarta-feira (15), aconteceu o aniversário da descoberta da Pedra de Roseta, um pedaço de granito encontrado em 1799 que foi responsável por esclarecer, pela primeira vez, os mistérios dos hieróglifos egípcios, sistema de escrita usado há mais de 4 mil anos para registrar as histórias do Egito antigo. Com isso em mente, o Google Arts & Culture lançou Fabricius, recurso que ajuda a decifrar esse código.

Por enquanto, o Fabricius está disponível apenas em inglês e árabe, e foi batizado em homenagem ao alemão Georg Fabricius, pai da epigrafia – nome que se dá ao estudo de inscrições (ou epígrafes) antigas. A ferramenta foi criada em parceria com o Centro Australiano de Egiptologia da Macquarie University, a Psycle Interactive e egiptólogos do mundo inteiro.

Continua após a publicidade

Até o momento, os estudiosos precisavam vasculhar livros manualmente para traduzir e decifrar a antiga língua, mas agora, com a chegada de Fabricius, os hieróglifos egípcios são decodificados com a ajuda de aprendizado de máquina. A tecnologia de Auto ML do Google Cloud, chamada AutoML Vision, foi usada para criar um modelo de aprendizado capaz de compreender o que é um hieróglifo. No passado, era necessário contar com uma equipe de cientistas de dados, muito trabalho de código, e muito tempo de dedicação. Agora, o AutoML Vision permite que os desenvolvedores ensinem a máquina, de forma simples, a reconhecer qualquer tipo de objeto.

Sendo assim, o usuário desse recurso pode conhecer um pouco mais dos antigos hieróglifos egípcios com uma breve apresentação informativa em seis passos simples, e então é convidado a traduzir as próprias palavras e recados para essa linguagem, e compartilhar as mensagens com amigos e parentes.

A novidade do Google Arts & Culture também permite conhecer mais sobre as maravilhas do Egito antigo – entre elas o infame rei Tutancâmon, as Pirâmides de Gizé e o Livro dos Mortos. Para professores que usam o Google Sala de Aula, foram criados alguns recursos sobre o antigo Egito para serem usados no trabalho com os alunos.