Ciência afirma que o PowerPoint é uma ferramenta inútil

Por Rafael Rodrigues da Silva | 15 de Agosto de 2019 às 16h20

Todo mundo já se deparou com esse momento: enquanto perdemos a noite montando uma apresentação no Power Point para a faculdade ou o trabalho, sempre acabamos nos perguntando se todo esse esforço realmente vale a pena. E, de acordo com a ciência, a resposta é um categórico “não”.

Um estudo conduzido na Universidade de Nova Gales do Sul (Austrália) por John Sweller - mesmo psicólogo que criou a teoria do Esforço Cognitivo - descobriu que utilizar um auxílio visual igual ao que está sendo falado, ao contrário do que se imagina, não facilita a compreensão. Na verdade, ele acaba atrapalhando as pessoas que participam da palestra a realmente entenderem o que está sendo falado.

Isso acontece porque a cognição impede que as pessoas leiam e ouçam algo prestando atenção em ambos. E utilizar uma apresentação de Power Point, com os tópicos principais do que está sendo falado, só acaba ajudando os ouvintes a esquecerem tudo aquilo que foi dito de forma mais rápida.

Outro estudo, feito por pesquisadores da Universidade de Harvard, afirma que não há um propósito de existência do Power Point. Isso porque eles descobriram que o grau de satisfação de uma audiência para com uma apresentação é o mesmo, independente da presença ou não de auxílio visual. Ou seja, sabe todas aquelas horas que você deixou de dormir para preparar uma apresentação? Não serviram pra nada, porque o seu público teria o mesmo tipo de satisfação se você simplesmente chegasse na frente deles para apresentar seu projeto sem nenhum auxílio visual. Você pode acessar o estudo completo (em inglês) na plataforma acadadêmica Plos.org.

Mas não foi apenas a inutilidade do programa criado pela Microsoft que foi descoberta. já que os acadêmicos também observaram que o editor de apresentações pode estar contribuindo para tornar as pessoas mais burras. Isso porque a facilidade do auxílio visual de gráficos, listas e slides tem ajudado a promover um novo tipo de gramática corporativa, onde o importante não é passar uma informação correta, mas, sim, passar uma informação com estilo - em resumo, propostas com lógica sofista, informações sem contexto e que se apegam na causalidade de fatores são cada vez mais comuns. Com isso, essa nova argumentação, onde o modo com se fala é mais importante do que o conteúdo da fala, está ajudando a deixar as pessoas cada vez menos inteligentes.

Assim, se você estava preparando uma apresentação de slides, tente desistir disso e use seu tempo para algo mais produtivo. Não somos nós que está dizendo - é a ciência.

Fonte: Inc.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.