App de edição de vídeo faz reconhecimento facial e armazena dados sem permissão

App de edição de vídeo faz reconhecimento facial e armazena dados sem permissão

Por Nathan Vieira | 07 de Outubro de 2019 às 08h15

O Magisto, um aplicativo de edição de vídeo baseado em nuvem, quebrou a lei de privacidade de dados a partir do momento em que passou a fazer o reconhecimento facial de milhares de pessoas usando inteligência artificial e armazenando esses dados sem o consentimento dos usuários.

O app em questão foi adquirido pela Vimeo em abril deste ano, e é voltado para vídeos de marketing corporativo. Basicamente, funciona assim: o usuário seleciona um modelo de vídeo, carrega suas próprias fotos e vídeos, escolhe algumas outras opções, e o Magisto gera um pacote final com todo o material, combinado automaticamente, usando vários sistemas treinados de aprendizado de máquina. Ele funciona tanto na versão web quanto em aplicativos para iOS e Android.

Magisto, o aplicativo de edição de vídeos corporativos pertencente à Vimeo (Foto: Divulgação)

Quanto à quebra de privacidade: é que, quando o usuário carrega um vídeo ou foto contendo o rosto de alguém, o aplicativo detecta a presença da pessoa e gera uma biometria facial, e essas informações ficam salvas em um banco de dados. A partir do momento em que o usuário carrega mais imagens, os rostos são comparados com as faces desse banco de dados hospedado na nuvem. A tecnologia de inteligência artificial também identifica o gênero, a idade e a localização de cada pessoa.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Por isso, a Vimeo está sendo processada por usuários dos Estados Unidos — especificamente por causa da coleta de dados biométricos sem a permissão. Segundo a lei do país, as empresas que coletam dados biométricos devem obter consentimento por escrito das pessoas, declarar explicitamente o motivo pelo qual estão usando a tecnologia, e publicar diretrizes públicas sobre quanto tempo pretende reter as imagens e eles podem ser excluídos. O Magisto menciona no site que usa reconhecimento facial em seu processo de edição, e declara que coletas dados que podem incluir informações pessoais que possam identificá-lo, mas não explica por quanto tempo esses dados biométricos são armazenados e de que maneira podem ser removidos.

Fonte: The Register

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.