Google não fará mais atualizações de segurança para Android 4.3 e anteriores

Por Redação | 13 de Janeiro de 2015 às 08h17
Divulgação
Tudo sobre

Google

O Google não está mais fornecendo atualizações de segurança para o WebView, componente para renderização de páginas da web para navegação padrão nas versões 4.3 (Jelly Bean) e anteriores do Android.

Num post no seu blog oficial, a empresa de segurança Rapid7 relatou a descoberta de uma falha de segurança no navegador padrão do sistema que afetava as versões 4.1 a 4.3 do Android. Segundo a publicação, a equipe de desenvolvimento entrou em contato com o Google para que a empresa trabalhasse numa correção para o problema.

O Google retornou o contato alegando que "não poderia tomar nenhuma ação em relação a qualquer relatório que afete as versões anteriores a 4.4". "Se a versão afetada [do WebView] for anterior ao 4.4, geralmente não desenvolvemos os patches nós mesmos, mas nós aceitaremos um patch com o relatório para avaliação", afirmou a gigante de buscas na resposta enviada à empresa de segurança.

Assista Agora: Nunca mais contrate funcionários para sua empresa! Comece o ano em uma realidade completamente diferente!

Em outras palavras: o Google agora quer que as empresas de segurança que descobrem as falhas enviem elas mesmas patches para os problemas descobertos, que então serão "analisados" pela empresa.

A decisão do Google de parar de fornecer atualizações de segurança para o Android Jelly Bean e anterior é problemática. De acordo com dados divulgados pela própria empresa, as versões do Android até a 4.3 equipam cerca de 60,9% de todos os dispositivos Android no mundo. A versão 4.4 (KitKat) representa outros 39,1% e a versão mais recente, a 5.0 Lollipop, ainda tem uma participação desprezível do total.

Parte do motivo da decisão de parar de lançar atualizações do Android Browser tem a ver com a tentativa do Google de fazer com que as OEMs parem de usar as funções open-source do Android e passem a utilizar as funções licenciadas pelo Google - o que, em tese, reduz a chance de que outras empresas desenvolvam produtos competidores do Android baseados no código aberto.

Reações a esse novo posicionamento do Google já podem ser vistas no mercado: o foco maior da Samsung no sistema proprietário Tizen e a fato da Amazon ter uma loja de aplicativos própria no Kindle Fire são exemplos.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.