Top Tech 16 / 32 vídeos

Top Tech | 6 maneiras de viajar no tempo

08:05 | Por Patrícia Gnipper | 21 de Fevereiro de 2018

A humanidade se fascina pela ideia de viajar ao passado ou visitar o futuro há muito, muito tempo. O tema inspira a ficção científica desde o surgimento do gênero na literatura, quadrinhos e cinema, e como ainda não existe um Delorean pra a gente conseguir viajar no tempo à vontade, tampouco um portal "mágico" para voltar ao passado ou avançar no futuro como na série Dark, o assunto segue habitando o imaginário popular e também a ciência, que um dia, quem sabe, pode conseguir o feito histórico de realizar a primeira viagem no tempo.

Afinal, ainda não há uma comprovação de que realmente é impossível fazer uma jornada fantástica como essa, e uma viagem para o futuro pode ser possível (ao menos teoricamente). Mas como isso poderia acontecer, cientificamente falando? A gente explica:

1. Entrando num buraco de minhoca

Os hipotéticos buracos de minhoca são uma espécie de atalho no tecido do espaço-tempo, com duas "bocas" conectadas a uma espécie de tubo espacial, capaz de interligar dois pontos do espaço (e consequentemente do tempo). Sua existência foi sugerida por Albert Einstein e é apoiada por Stephen Hawking, e, apesar de ainda não termos descoberto um buraco de minhoca de verdade, a comunidade científica num geral apoia a ideia de que eles existem, sim.

Então, na teoria, ao entrar por uma das bocas de um buraco de minhoca, seria possível viajar de um ponto a outro no espaço-tempo a velocidades que superariam a da luz. Essa nave espacial sairia pelo buraco de minhoca em um lugar absurdamente distante no espaço, viajando, também, no tempo. A ideia chegou a ser explorada na ficção em Donnie Darko, mas sem naves espaciais servindo como meio de transporte.

2. "Surfando" em cordas cósmicas

As cordas cósmicas são umas rachaduras extremamente finas, mas ultramassivas, no universo, fazendo a ligação entre diferentes regiões do espaço. Unidimensionais, elas não têm altura nem largura, mas há quem acredite que elas podem servir como um guia de navegação pelo espaço-tempo.

A má notícia é que, para viajar somente doze meses no tempo usando as cordas cósmicas, teoricamente seria preciso acumular quase a metade da energia de todo o universo. Mas, quem sabe exista uma outra maneira de fazer isso acontecer, não é mesmo?

3. De carona com um buraco-negro supermassivo

Stephen Hawking chamou buracos-negros de "máquinas do tempo naturais", e a verdade é que os supermassivos são tão densos que impactam dramaticamente no tempo. Se uma nave por acaso conseguir orbitar um buraco-negro desses por 10 anos, quem estiver ali dentro vai sentir que se passaram somente 5.

Isso significa que, em teoria, os buracos-negros supermassivos podem ser usados para viajar no tempo, e quando essa nave voltasse à Terra, os astronautas estariam apenas cinco anos mais velhos, mas a humanidade já teria vivido dez. Seria como se eles tivessem avançado para o futuro, assim como acontece em Interestelar, quando Cooper enfim consegue voltar à Terra, e vê que sua filha mais nova já estava idosa, mas ele ainda parecia ter a mesma idade de quando deixou o planeta.

4. Viajando na velocidade da luz

A velocidade da luz é de incríveis 1.079.252.848,8 km/h, e, se conseguirmos uma maneira de viajar a essa velocidade extrema, o tempo se comportará de uma maneira diferente, desacelerando consideravelmente. O físico Brian Cox disse que, ao viajar na velocidade da luz, o tempo passaria tão mais devagar que seria possível voltar ao ponto de origem 10 mil anos depois!

Mas aí mora um problema: de acordo com as leis da física, nenhum objeto consegue viajar à velocidade da luz. Nem mesmo prótons conseguem essa façanha, já que, para isso, seria preciso uma quantidade infinita de energia (e ainda não temos uma fonte inesgotável de energia disponível). Para piorar, acredita-se que o organismo humano não consiga suportar uma viagem tão rápida, já que ninguém é um Super-Homem que voa a velocidades que superam a da luz. Mas quem sabe o que o futuro da ciência nos reserva, não é mesmo?

5. Hibernação

Existem bactérias que vivem milhões e anos por entrarem em estado de hibernação, até que condições de temperatura, umidade e alimentos iniciem seus metabolismos para que elas acordem. Alguns mamíferos também conseguem reduzir a atividade de seus metabolismos com a hibernação, e tem cientista trabalhando para conseguir induzir um estado de hibernação em animais maiores para ver se a gente consegue "congelar" o tempo. Então, ao despertar, esse indivíduo perceberia que acordou no futuro, como aconteceu com Fry em Futurama.

6. Máquinas do tempo

O Delorean de De Volta para o Futuro, o aparato de H. G. Wells, ou o TARDIS de Dr. Who, são máquinas do tempo da sétima arte. Mas, na vida real, ainda não existe um equipamento que permita viajar para o passado ou ao futuro. Esse tipo de máquina precisaria dobrar o espaço-tempo, e estudos indicam que, teoricamente, seria possível criar um sistema a vácuo no formato de uma rosquinha, onde o espaço-tempo poderia ser curvado sobre si mesmo usando campos gravitacionais focados para criar uma curva de tempo fechada.

Então, para voltar no tempo, o viajante apenas correria dentro dessa "rosquinha" indo para trás no passado em cada volta. Mas a má notícia é que, para fazer uma curva do tempo fechada do tipo, seria necessário criar campos gravitacionais muito fortes, e provavelmente a pessoa não sobreviveria a essa força toda. Mas, ainda assim, a ideia não chegou a ser totalmente descartada, e vai que um dia a tecnologia avance a ponto de termos hotspots de viagem no tempo por aí? Sonhar não custa nada!

Gostou desse vídeo?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.