Top Tech 35 / 35 vídeos

Smartphones que mais emitem radiação [Top Tech]

10:35 | Por Redação | 31 de Janeiro de 2019

Radiação versus smartphones. O assunto é tema de debates há muitos anos, mas até hoje, em pleno 2019, ainda não existe nenhuma pesquisa realmente conclusiva sobre os reais efeitos da radiação dos celulares. É preciso lembrar que nem mesmo a Organização Mundial da Saúde (OMS) possui dados práticos sobre a exposição a campos eletromagnéticos e suas implicações na saúde humana.

Tem quem afirme que smartphones podem causar câncer, perdas cognitivas devido à degeneração de nervos e neurônios e até mesmo má formação em fetos. Outros, mais céticos, acreditam que essa preocupação se trata de um exagero, uma vez que o uso dos dispositivos móveis já é comum em nossa sociedade e nenhuma grande catástrofe ocorreu.

Um estudo recentemente publicado no periódico Environmental Health Perspectives concluiu que os celulares liberam energia de radiofrequência e que os tecidos do corpo são capazes de absorver essas ondas de rádio, sim. Mas, por ser uma radiação muito baixa, não é capaz de causar danos diretos ao DNA.

O perigo, segundo os estudiosos, é outro: a absorção de radiação pelo corpo causa perdas da capacidade de reter memórias. Segundo o estudo, segurar o celular do lado direito da cabeça durante as chamadas de voz faz com que as áreas do cérebro relacionadas à memória sejam mais afetadas. Outros usos, como navegar, assistir vídeos, tirar fotos ou jogar estão liberados: quase não resultam em exposição cerebral às radiações.

Desde 2002, o Federal Office for Radiation Protection faz a medição de SAR para celulares vendidos comercialmente. A medição é feita sobre a absorção de radiação enquanto usamos eles “perto do corpo” ou “perto da orelha”, mas o nível máximo permitido pelo FCC (Federal Communications Commission) é de 2 watts por quilograma, que é o recomendado pelo ICNIRP (International Commission on Non-Ionizing Radiation Protection).

O que é SAR?

Vocês vão ouvir falar bastante de um negócio chamado SAR. A sigla significa Specific Absorption Rate, ou ‘Taxa de absorção específica’, e é usada para medir a quantidade de energia de radiofrequência absorvida pelo organismo enquanto usamos o smartphone.

A Anatel explica que a grande maioria dos equipamentos em uso no Brasil já foi certificada anteriormente pelo FCC, logo as mesmas regras também se aplicam por aqui. Eles estabelecem que a SAR atinja um pico de 1,6 watts por quilograma. Esse parâmetro, como adverte o órgão norte-americano, não pode ser usado sozinho para explicar o fenômeno e a segurança física considerando níveis de radiação.

Mas se mesmo assim você não quer arriscar seu potencial cerebral, o site Statista é especializado em formular levantamentos estatísticos e compilou um ranking com os aparelhos atuais que mais emitem radiação. Usando os dados oficiais do Escritório Alemão para a Proteção de Radiação, o site aponta os 15 modelos de smartphones que mais emitem radiações.

Embora não exista uma diretriz universal para um nível "seguro" de radiação telefônica, a certificação alemã chamada Blue Angel, que é uma espécie de "selo verde"que identifica produtos e serviços com características ambientalmente corretas e amigáveis, certifica apenas telefones com taxa de absorção específica inferior a 0,60 watts por quilograma. Todos os telefones apresentados na lista a seguir chegam a mais que o dobro desse benchmark.

  • 15º - ZTE AXON 7 mini – 1,29 Watts por quilograma
  • 14º - Xiaomi Redmi Note 5 – 1,29 Watts por quilograma
  • 13º - Apple iPhone 8 – 1,32 Watts por quilograma
  • 12º - OnePlus 6 – 1,33 Watts por quilograma
  • 11º - Sony Xperia XZ1 Compact – 1,36 Watts por quilograma
  • 10º - Apple iPhone 7 – 1,38 Watts por quilograma
  • 9º - Huawei P9 Lite – 1,38 Watts por quilograma
  • 8º - OnePlus 5 – 1,39 Watts por quilograma
  • 7º - Huawei Nova Plus – 1,41 Watts por quilograma
  • 6º - Huawei P9 – 1,43 Watts por quilograma5º - Huawei GX8 – 1,44 Watts por quilograma
  • 4º - Huawei P9 Plus – 1,48 Watts por quilograma
  • 3º - Huawei Mate 9 – 1,64 Watts por quilograma
  • 2º - One Plus 5T – 1,68 Watts por quilograma
  • 1º - Xiaomi Mi A1 – 1,75 Watts por quilograma

Gostou desse vídeo?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.