Análise de Produto 335 / 359 vídeos

Samsung Galaxy Note 8, vale a compra? [Análise Completa / Review]

12:32 | 05 de Outubro de 2017

Faz pouco mais de um ano que o Galaxy Note 7 chegou ao mercado, não no Brasil, mas em alguns lugares do mundo. Não deu muito certo e ele deixou muita gente de cabeça quente. Literalmente.


A Samsung pediu desculpas inúmeras vezes, diz que arrumou os problemas de bateria que fizeram o Note 7 pegar fogo e explodir. E isso é basicamente o que o Note 8 precisa fazer para dar certo, já que ele tem o hardware do S8 plus, com memória RAM extra, tela que responde ao contado da S Pen e a primeira câmera dupla da Samsung.


Certo? Bem, tome nota...


UM S8+ MAIS QUADRADO E MAIOR


Do lado de fora o Galaxy Note 8 é basicamente um Galaxy S8+ com 0,1 polegada extra de tela e menor quantidade de curvas. Tanto nas bordas da tela, como no fim do display nas partes de cima e pra baixo. O motivo disso é bem claro: S Pen. Com esta tela menos curvada, a Samsung te entrega mais espaço para escrever com a caneta.


Outra mudança está nas laterais. A divisão entre vidro e metal está mais saltada, menos lisa. Junte isso ao olhar mais quadrado e temos um smartphone mais profissional, menos cool.


Pela primeira vez a Samsung adota câmera dupla em um smartphone, só que ela não apenas duplicou o sensor, ou faz sensor falso como estes chineses malandros. Ambos os sensores contam com estabilização ótica e ainda garantem um efeito buquê belíssimo, que falo melhor mais tarde.


Por fim, a mudança para o S8+ está no compartimento que guarda a S Pen. E, não. Não dá pra colocar a S Pen ao contrário, como era possível no Note 5. De resto, temos a mesma cara premium, mesma proteção IP68 para água e poeira, mesma resistência e proteções que estão no vidro irmão mais velho.


Preciso confessar uma coisa. Eu reclamei da posição do leitor, lá no review do Galaxy S8+. Este ainda é o pior local possível para o leitor, mas me acostumei no S8+ nos meses que venho usando como meu celular pessoal. No Note 8 é questão de tempo para se acostumar, mas o dedo precisa percorrer ainda mais espaço para chegar até o local. Que poderia ser abaixo da câmera, como em todo smartphone do mercado que não coloca na frente ou do lado.


O lado positivo é que a Samsung escutou a reclamação de seus usuários, e de quem analisou e fez reviews do aparelho. O Note 8 vem com a sensação de ter mais material que diz ao seu toque que está no local certo. A sensação de passar o dedo pelo leitor, com suas bordas diferentes, não é a mesma de acertar a lente.


E, sim, felizmente a Samsung não adotou a péssima ideia do mercado. De tirar a entrada para fones de ouvido. Ela está lá. É só usar. No lugar onde sempre deveria estar.


Entenderam...Apple e Motorola?


Ah, claro, o botão para a Bixby que apareceu no S8 está aqui. No mesmo local, onde você vai apertar por engano e que não pode ser configurado para outra coisa qualquer. A Bixby está crescendo e já responde comandos em inglês, mas nada de português. Ainda.


TELA GENEROSAMENTE GRANDE


Por aqui são 6.3 polegadas de tela Super AMOLED que preenche mais de 83% da frente do aparelho, com resolução de 2960 x 1440 pixels e que está na proporção de 18.5:9. Isso significa que ela é um pouco mais do que o dobro da largura na altura.


Na sua vida esta tela mais alta garante que dividir o display com dois apps ao mesmo tempo é mais confortável. No restante esta é exatamente a tela que você espera para o melhor que a Samsung pode oferecer em Super AMOLED.


Ela garante cores fortes, pretos vivos em contraste quase que infinito e a garantia de poder ler qualquer conteúdo que está na tela, mesmo sob luz solar intensa. Há também enorme ângulo de visão, sem distorções nas cores quando você está mais pro lado. Tudo que o S8 já faz.


A única parte que não segue no mesmo ótimo aproveitamento para multimídia é o falante. Ele é alto, sim. Mas fica atrás de soluções mais inteligentes, como as da Sony para os Xperia em áudio estéreo. Ou mesmo para a Apple nos iPhones 7, ou da Asus com o Zenfone 4. Ambos utilizam o falante de cima para dar a segunda caixa de som e isso muda bastante a forma como você assiste filmes, joga ou vê um vídeo no YouTube.


ESPECIFICAÇÕES


O Galaxy Note 8 é quase que um S8+ também do lado de dentro. Ele compartilha o mesmo processador, mesma velocidade dos oito núcleos e mesma placa gráfica. Muda apenas nos 2 GB extras de memória RAM e na possibilidade de trabalhar com 64 GB, 128 GB e 256 GB de memória interna. O S8 fica sem a última opção.


Processador Exynos 8895 Octa
Octa-core de até 2.3 GHz
64 GB/128 GB/ 256 GB
6 GB de RAM
GPU Mali-G71 MP20
Android 7.1


PEQUENO REFINAMENTO NO SOFTWARE


Se você já usou o Galaxy S8, ou viu nosso review, não há muito o que falar por aqui. Em desempenho o Note 8 é o mesmo que o S8 já é, apenas com mais espaço para manter mais apps abertos na lista de background, sem recarregar o conteúdo quanto você voltar.


Tudo roda muito bem por aqui, de apps mais simples até games mais pesados. Até mesmo com outros apps no fundo, títulos como Unkilled, Injustice 2 e Asphalt Xtreme rodaram com os pés nas costas, gráficos no máximo e alta taxa de quadros por segundo.


Uma das novas funções que a TouchWiz recebeu neste aparelho é a possibilidade de criar pares de apps que abrem ao mesmo tempo e dividem espaço na tela. Como há mais tela, é provável que você utilize dois apps ao mesmo tempo e ter mais memória RAM dá mais fôlego para ter vários abertos, enquanto dois estão na frente. Depois é só trocar por outros dois e seguir utilizando.


Se você pensa que ter 6 GB no lugar de 4 GB vai acelerar o celular….não. Nenhum app abriu mais rápido no Note 8, quando comparado ao S8.


Outra função nova fica na possibilidade de instalar segundas versões de apps como Facebook, WhatsApp, Telegram e outros. Isso garante que você utilize duas contas diferentes no mesmo mensageiro, perfeito para a capacidade de dual-sim que o Note 8 do Brasil tem.


A S Pen também recebeu atenção especial. Ela tem ponta mais fina do que no modelo do Note 5, com 0,7 milímetros, além de ter mais pontos de precisão na pressão. São ao todo 4.096 níveis que a caneta entende de pressão. Ela também tem proteção IP68, permite navegar em todo o sistema sem usar os dedos, dá pra desenhar em uma captura de tela, traduzir frases inteiras e até mesmo converter moedas.


Uma novidade para ela, no Note 8 é que dá pra fazer algumas animações num estilo iMessage, da Apple. A diferença é que a animação vira um GIF animado que pode ser compartilhado em qualquer lugar que suporte GIFs animados, como Telegram, WhatsApp, Facebook e tantos outros.


É um recurso matador e incrível? Não, mas é divertido.


Por fim, o Note 8 permite tomar nota mesmo com a tela desligada. É só puxar a canetinha e sair escrevendo. São até 100 páginas de anotações que não necessitam nem mesmo de desbloqueio da tela. É mais veloz do que desbloquear o celular, buscar o app de notas predileto, abrir, selecionar nova nota e escrever.


O Android que roda aqui está na versão Nougat, o que não é tão bacana quando lembramos que o lançamento do Android Oreo aconteceu tão agora. A Samsung não é a empresa mais rápida em atualizar seus aparelhos. Mas, como estamos com o smartphone mais caro que a Samsung tem...o novo Android deve chegar por aqui em alguns meses. Se você comprar o Note 8 em operadora, ainda mais meses.


CÂMERAS


A moda recente de smartphones está na presença de duas lentes. Alguns fabricantes escolhem lentes wide e outra normal, ou uma preto e branco e outra colorida. A Samsung seguiu a ideia de zoom e adota uma lente normal, com outra com duas vezes de zoom do seu lado. Não, duas vezes de zoom não vai te fazer tirar aquela foto linda da lua, nem mesmo espiar um vizinho com tantos detalhes, mas te garante uma proximidade maior de objetos não tão distantes.


O que mais me agrada, de verdade, é que dá pra criar belíssimas imagens em macro, já que o zoom não te obriga a ficar tão próximo do objeto, para focar. Em números, os dois sensores são de 12 megapixels, sendo que um sensor tem abertura de f/1.7 e o outro f/2.4. Até ai nada de diferente, mas o que a Samsung preparou por aqui é a estabilização ótica em ambos os sensores.


As câmeras tiram fotos tão incríveis como o S8 já faz. Detalhes saltam aos olhos, há pouco ruído em fotos noturnas e bastante luz entrando sem estourar pontos. A novidade fica com o modo de foco dinâmico.


Ele permite fazer fotos com o fundo desfocado, como no modo retrato do iPhone, só que com a possibilidade de ajustar quanto do fundo você quer desfocado. Antes e depois de tirar a foto. Além disso, quando você tira uma foto com o foco dinâmico, o aparelho salva uma versão da imagem com a lente de maior ângulo também. Isso faz com que um JPG salvo aqui fique com 15 MB de espaço, mas com grandes possibilidades de edição.


Na qualidade final, este modo de desfoque fica dentro do que já vimos com outros aparelhos, como o iPhone 7 Plus e o OnePlus 5.


No geral, como o Note 8 conta com estabilização ótica nas duas lentes e utiliza o sistema dual-pixel para foco muito veloz, você dificilmente deixa uma foto tremida. Até mesmo fotos aproximadas com o zoom ótico de duas vezes ficam bacanas, por mais que a lente para este recurso seja mais escura.


O que deixa claro que apenas ter um sensor famoso, como um Sony ou da Samsung, não faz a mágica sozinho. Você precisa de um software que acompanhe a qualidade. Entenderam, smartphones chineses baratos?


Ah, claro, você pode filmar em até 4K, com 30 quadros por segundo e com estabilização em qualquer uma das lentes que você escolher.


BATERIA MENOR, MAS AINDA BOA


A Samsung aprendeu no ano passado que aumentar a densidade da bateria não é algo tão seguro, ao menos antes de melhorar a tecnologia dela. Com isso em mente, o Note 8 tem 3.300mAh de carga, contra 3.500mAh do Note 7.


O estranho é que o S8+ vem com 3.500mAh, com tela menor que o Note 8.


No cotidiano, consegui algo perto de 19 horas de uso, com 5 horas de tela ligada. Chegando ao fim do dia com alguma bateria sobrando, entre 20% e 15%.


No nosso teste de reprodução de vídeo do YouTube em Full HD, no Wi-Fi e com o brilho no máximo, foi possível chegar em 13,5% de descarga por hora. Ou pouco mais de sete horas seguidas de vídeo. Dá pra assistir dois filmes completos no Netflix e ainda sair com energia sobrando.


VALE A PENA?


A Samsung conseguiu pegar o melhor do Galaxy S8 e melhorar ainda mais, para encaixar no que você espera da linha Note. Ele é veloz, vem com até 256 GB de memória interna, mais RAM e a ótima câmera dupla, junto da S Pen. O problema é o preço. Este é o smartphone mais caro que a Samsung tem. Ele custa mais de R$ 1,5 mil além do que custa um S8+ hoje.


Se você realmente faz questão da S Pen e quer o melhor que um Android pode ter, em todos os sentidos, até que vale. Mas, se você quer apenas o melhor do Android e quer continuar na Samsung, talvez seja melhor escolher o S8+. Ele tem um corpo quase que idêntico, mesmo hardware, perde pouca coisa de memória RAM e vem sem a câmera dupla. Mesmo assim ele ainda faz bonito, entrega muito bem o que você espera.


Eu não sou um amante da S Pen, mas a câmera dupla conseguiu me cativar. O problema é que a diferença de preço é grande demais. Muito além do que eu acredito correto por uma lente extra. Se for para mim, eu compraria um S8+.


E ai, vocês concordam? Pensam diferente? Coloquem aqui nos comentários.