Análise de Produto 363 / 437 vídeos

Google Home Mini [Análise / Review]

10:38 | Por Redação | 28 de Dezembro de 2017
Tudo sobre

Google

Nós já falamos do Google Home aqui no Canaltech. Se você não viu esse vídeo, recomendamos fortemente que você pause esse vídeo e procure "Google Home Canaltech" aqui no YouTube ou clique no link da descrição do vídeo para assistir primeiro nossa análise sobre o Google Home original.

Entenderam? Esse vídeo é uma continuação do outro, então se não viu ainda... pause esse.

E antes que vocês perguntem nos comentários: apesar do Google Assistant falar português, por algum motivo isso ainda não se aplica ao Home. Pode ser que isso mude amanhã, mês que vem, ano que vem, mas na data de gravação desse vídeo ainda não era possível fazer o Google Home falar nossa língua, mesmo com os menus do aplicativo "home" no celular traduzidos normalmente.

Hoje ele já fala além do Inglês o alemão/francês/japonês.

Menos português. "nada-acontece-feijoada".

MAIS UM GOOGLE HOME?

Este é o Google Home Mini. Assim como o Google Home, ele atende comandos de voz "Ok Google" e reproduz em sua caixa de som integrada as respostas e ações solicitadas. A peça também serve para fazer "cast", com você enviando músicas para ele via celular, exatamente como um "Chromecast audio" e como o Google Home original fazem.

Mas afinal, isso ajuda em que? Qual o propósito de ter um aparelho menor que o Google Home original com as mesmas funções? Você talvez estivesse esperando algo diferente, um upgrade... mas não. Ele tem o papel literal de ser uma versão menor do Google Home. Bingo.

Como o irmão maior, falamos de uma caixa de som com luzes que indicam seu funcionamento. Infelizmente, em 15 de Outubro de 2017 um update oficial do Google desabilitou o toque no centro da peça para ativá-la/calar a boca do assistente, mantendo assim os comandos de ativação e parada totalmente via voz. Aqui no Canaltech notamos que esse acabamento em tecido causa de vez em quando alguma dificuldade em interagir com o touch (que ainda funciona, porém agora só ajusta o volume do aparelho). Existem outras cores à venda na loja oficial, naturalmente.

Você diz "OK GOOGLE", ele responde, pois está sempre aguardando essa frase para ativar. Assim como seu celular, ele cria alarmes, faz pesquisas, inicia músicas... e como falamos no vídeo do Google Home original, sempre recebe mais comandos atualizados direto pelo Google. Agora ele faz lembretes, assim como o celular sempre fez. Esse recurso não estava disponível antes, e agora funciona normalmente, sincronizado com sua conta Google. 

Funciona exatamente como um Google Home normal, que segue à venda e ainda é uma ótima máquina. O que notamos de diferente no mini é a menor sensibilidade do microfone, pelo menos em nossos testes. Ele ainda é muito eficaz, porém notamos que é preciso falar um pouco alto com ele (se comparado ao Google Home normal).

Não existem informações claras sobre a potência dos falantes de nenhum dos Google Home no site oficial do Google; na análise do Home normal, citamos que a potência estimada dele nos fóruns do Google era algo entre 60 ~ 90db de volume, dependendo da reverberação do ambiente, suficiente para tornar impraticável conversar ao lado dele em volume máximo.

No Home Mini, é quase seguro dizer que metade disso é a potência dele. Tem mais: sem o woofer passivo dedicado do Home normal, ele traz graves fracos e praticamente inexistentes. Segundo o site do Google Home, sua especificação de som oficial é "som 360 com driver de 40mm", e nada mais.

A vantagem desse speaker mais fraco é apenas uma: diferente do Google Home normal, o Mini usa alimentação Micro USB e necessita apenas de 5V (1.8A), ou seja, Google Home com powerbank.

É algo meio burro usar o Google Home mini com uma powerbank. Ele não foi desenhado para ser um Speaker USB nem ficar trocando de uma rede Wi-Fi para outra com agilidade. Seu projeto é estacionário, para sua casa (home, Google HOME!), tendo assim conexão contínua com sua rede. Mas a gente testou e dá certo usar um Powerbank.

Tudo bem, isso é o Google Home mini. Mas vocês notaram em nossas imagens que temos um Google Home normal aqui no escritório. Usamos ele todos os dias desde que publicamos a análise desse cara aqui no Canaltech, 8 meses atrás em relação a publicação deste vídeo. Por que estamos misturando um produto da geração passada com essa? Agora você vai entender.

O Google Home mini é claramente mais fraco que o Google Home original, porém é bem mais barato. Na loja oficial do Google, os preços sem desconto são:

  • US$ 129 para o Google Home
  • US$ 49 para o Mini

Durante a Black Friday americana (sim, a de VERDADE), eles ficaram ainda mais baixos temporariamente:

  • US$ 79 para o Google Home
  • US$ 29 para o Mini

Entenderam a ideia? Compre um Google Home para o ambiente principal, e encha a casa de "minis", permitindo que em qualquer cômodo você acesse o assistente. Na sua apresentação, o Google deu mesmo esse recado. Essa peça pequena fica na sua cozinha, outra no seu quarto... e assim por diante. A casa inteira conectada.

E aí sim tudo o que falamos faz sentido. Anotar um lembrete no banheiro, fazer uma pesquisa na cozinha, pedir um alarme ao se deitar no quarto. É só espalhar alguns Google Home mini pela casa e "voilà", sucesso.

Quer tocar música neles ao mesmo tempo? Fácil. Pelo aplicativo do Google Home no celular você escolhe se os Google Home(s) da casa pertencem à um grupo ou não. Por exemplo: o Google Home da cozinha e da sala são do grupo "festa", e tocar algo em "festa" ativa os dois ao mesmo tempo sincronizados. Você pode ter outro grupo, com todos os Google Home da casa; aí a música fica em sincronia em todos os cômodos.

Por exemplo: aqui no Canaltech criamos o grupo "Coke", que une o Google Home normal e o Google Home mini.

Para cada grupo que você criar, os Google Home simulam na rede +1 "Chromecast audio". Exatamente, você verá na sua lista de "Dispositivos compatíveis com o cast" uma entidade "Chromecast audio" individual para cada grupo. Você pode pelo seu celular tocar algo para um grupo de Google Home(s) sem ter que interagir com eles. É muito interessante.

Vale até assustar alguém na outra sala com um Google Home que esteja num grupo.

Você pode deixar como padrão esse comportamento de reproduzir em grupo. Pode até selecionar o Google Home mini escravo, sempre reproduzindo suas mídias em outro local (por exemplo, num Google Home normal).

Ter vários deles faz sentido, seja para usar em grupo ou individualmente em cada cômodo. As duas coisas podem ser feitas ao mesmo tempo, sem problemas. Ainda individualmente, você pode mandar um home tocar música no outro, e vice versa. Excelente.

MAIS UM GOOGLE HOME?

No nosso vídeo do Google Home original, a ideia de colocar vários Google Home pela casa como sugerido pelo Google não fazia muito sentido, porém com o Home mini e seu preço menos salgado fica bem mais fácil imaginar várias peças extensoras dessa pela casa.

Quem precisa de um som excelente pode além do Google Home normal usar um Chromecast audio nesse circuito de dispositivos no grupo, conectando assim um home theater tradicional nessa história toda.

Testemunhamos a evolução do assistente conectado, sendo o exemplo mais fácil de notar entre nosso review passado e esse a capacidade de fazer notas; como previmos, o Google atualizou seu assistente e bingo! Está aqui.

Arriscamos dizer que a qualquer momento essa galera aqui falará português, assim como o Google do seu celular já fala há um bom tempo.

US$ 49 para o preço do Mini é algo que coloca muito mais interesse sobre o sistema Google Home. Tem gente aqui do escritório que comprou um mini por causa do preço mais acessível, e começará a ter um assistente pessoal/caixa de som inteligente em casa. No futuro esse preço deve ficar ainda melhor, e pegar dois ou três para uma casa fará ainda mais sentido.

Aqui no Canaltech concluímos que o mini acrescenta uma possibilidade de extensão ao ecossistema "home" do Google; não faz tanto sentido sozinho, mas quem quiser ele como opção mais acessível terá um dispositivo 100% funcional.

Até que mais uma atualização surpresa apareça, seguimos com o Google Home para o Brasil sendo "um Chromecast Audio "Plus" que fala, porém apenas em alemão/francês/japonês/inglês.

Você aí na sua casa, entendeu bem o conceito do grupo de "Google Homes"? Pretende pegar alguns desses ou mesmo um "par", como mostramos nesse vídeo? 

Para conseguirmos esses aqui, aproveitamos que um de nossos jornalistas retornava dos EUA, porquê ele não vende no Brasil de forma oficial.

Gostou desse vídeo?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.